Ex-interventor no RJ, general Walter Braga Netto chega ao Planalto com a missão de fortalecer o escudo verde-oliva que cerca o presidente

General da ativa e, até poucos dias atrás, comandante do Estado-Maior do exército brasileiro, Walter Braga Netto é o primeiro militar a ocupar a Casa Civil, importante ministério por sua função (em tese) de articular medidas entre as pastas do governo, desde o homólogo Golbery de Couto e Silva, ministro dos ditadores brasileiros Ernesto Geisel e João Figueiredo. Netto substitui o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), agora ministro da Cidadania no lugar do deputado Osmar Terra (MDB-RS).


Como o gabinete da Casa Civil está alocado no Palácio do Planalto, sede do executivo, Netto, empossado na terça-feira 18/2, se junta aos generais Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional – GSI, e Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, no escudo verde-oliva que agora cerca o presidente Jair Bolsonaro com vistas a algum “contratempo”. Se precisar de reforço, como também despacha do Planalto, tal barreira de vestes camufladas pode contar com o porta-voz oficial do (des)governo, general Otávio do Rêgo Barros.

Trata-se de estratégia reforçar a presença de militares nas divisões do (des)governo, sobretudo no mesmo prédio em que o presidente da República dá expediente todos os dias.

A decisão é parte de um dos desdobramentos dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, no início da década passada: está em curso um plano velado para consolidar a imagem das Forças Armadas como a única instituição capaz de “resgatar” a sociedade brasileira dos “caminhos tortuosos da democracia representativa”.

Não por acaso os últimos anos (e provavelmente os próximos) ficaram (ficarão) marcados pelas convocações, a torto e a direito, dos militares, como recentemente no combate às queimadas na Amazônia Legal, recolhimento das manchas de óleo no mar e praias do nordeste do País e no convite para uma força-tarefa a fim de reduzir a fila de espera no INSS (???).

Da mesma forma que durante as atividades da comissão houve lobby das lideranças das FA a favor de punições mais brandas àqueles (alguns poucos) identificados como responsáveis pelas atrocidades do regime militar, o que se observa, desde então, é a crescente influência da caserna sobre as decisões políticas do País a partir de cargos estratégicos na estrutura.

A título de exemplo, Sérgio Etchegoyen como chefe do Departamento Geral do Pessoal com a ex-presidente Dilma Rousseff, que, por sua vez, recorreu aos militares para todas as suas demandas na área de segurança pública, desde a resposta ao conturbado ano de 2013, passando pelo apoio aos grandes eventos esportivos (Copa das Confederações e Copa do Mundo), até ocupar comunidades cariocas. Essas posições controversas podem ser explicadas por estarem dentro de um plano maior de recuperação (na verdade, reforço) da imagem das FA, o que, de maneira alguma, justifica terem sido empreendidas, ainda mais se tratando de um governo com plataforma popular. Caberia, sim, discussão mais abrangente sobre medidas práticas e alternativas ao enfrentamento à criminalidade sem adotar o expediente particular dos que se alinham contra valores democráticos.

Apesar da queda de Dilma, Etchegoyen seguiu por ali com a ascensão de Michel Temer. Por sua influência e posição, há fortes suspeitas de que teria participado do consórcio que depôs a petista. Tanto é que, com o (des)governo Temer, foi nomeado ministro-chefe do GSI e, com isso, em uma tremenda coincidência (poxa vida), as FA passam a ocupar cada vez mais espaço no dia-a-dia dos brasileiros.

Foto: Alan Santos/PR

É aqui que retomo a nomeação de Walter Braga Netto, peça do tabuleiro político nos últimos anos que andava distante dos holofotes da mídia (alô, general Richard Nunes). Além de enviar uma mensagem de que está cumprindo com o plano, Bolsonaro traz para perto de si aquele que foi responsável por nada menos que a mais ousada ação dos militares desde o fim da ditadura: a “intervenssão” (em homenagem ao PHA) na área de segurança pública do estado do Rio de Janeiro.

Ao longo do ano de 2018, dos meses de fevereiro a dezembro, Braga Netto foi o interventor escolhido por Temer para sitiar o estado fluminense em um experimento caro aos cofres públicos e repressivo aos mais pobres, com episódios de violação a direitos básicos como o de ir e vir.

Nesse contexto, dando um passo atrás, ainda em 2017, não se pode deixar passar despercebido a decisão do Congresso Nacional de alterar as competências da justiça militar, o que permitiu aos militares a situação mais que confortável e corporativista de terem seus casos envolvendo civis julgados por seus pares de instituição (militar julgando militar começa a valer em 2017 e, recentemente, já em 2019, o caso do músico Evaldo mostra como tem rendido muita impunidade).

A ex-vereadora do PSOL carioca Marielle Franco e o motorista do carro em que estava Anderson Gomes foram executados na região central da capital ocupada pela intervenção de Temer e Braga Netto. Havia militares por toda parte e, presumo, agentes da inteligência militar monitorando todos os cantos do Rio de Janeiro. Ainda assim, passados 707 dias desde aquela noite de 14/3/2018, não há confirmação de quem matou e quem mandou matar Franco, que, quando viva, não hesitou em criticar a medida decretada pelo ex-presidente.

No “armário” do novo ministro da Casa Civil está ainda a chacina mal explicada na comunidade do Salgueiro em novembro de 2017, quando Braga Netto ainda estava à frente do Comando Militar do Leste, responsável pelos efetivos do RJ. As investigações para esclarecer como se deram as oito mortes em uma aparente emboscada coordenada pelo exército na região foram alvos de bloqueio pelo agora ministro da Casa Civil, denunciou à época o escritório brasileiro da ONG Human Rights Watch. Parece que o ministro estava querendo esconder algo.

Perfil

“Forte liderança”, “bem articulado” e fama de disciplinado. Em conversa com pares de Braga Netto, alguns veículos de mídia divulgaram que ao menos esses três pontos teriam pesado no convite de Bolsonaro.

Dos três, a fama de disciplinado parece o mais valioso para o presidente, que não esconde seu viés autoritário e a vontade de ter para si toda a máquina pública brasileira (autocracia na essência). Por que a fama valeria mais do que as outras duas virtudes? Bom, Braga Netto, até onde se sabe, assume uma Casa Civil esvaziada, sem as suas principais funções: articulação com o Congresso está no escopo da Secretaria de Governo (Ramos), assuntos jurídicos do (des)governo na Presidência (Oliveira) e o programa de parcerias e investimentos (Guedes).

Braga Netto pode até ser muito instruído e capacitado, além de esperto ao trancar o armário com o passado recente com a única chave que carrega sempre no bolso da frente. No entanto, fica difícil esconder que, se não lhe derem trabalho para fazer, foi convocado apenas para integrar a barreira militar em torno do presidente (será que têm informações sobre os próximos meses e estariam preparando um autogolpe?).

Greve

Os petroleiros seguem firme com a maior greve desde 1995 e merecem o apoio de toda a sociedade brasileira. Como escrevi em texto publicado na semana passada, para defender a Soberania Nacional é preciso lutar pela existência de instituições como a Petrobras, peça-chave para o desenvolvimento do Brasil a longo prazo.

A bandeira é impedir a privatização da petroleira, incluindo a suspensão urgente do processo avançado de venda de seus ativos (subsidiárias como a FAFEN-PR). Para alcançar tal objetivo é preciso não esmorecer diante das intimidações, principalmente daqueles que vivem na redoma de vidro dos brasileiros privilegiados (Gandra e os R$ 90.000 de contra-cheque em dezembro/19).

Sobre a coluna

Da Prática Política é uma coluna semanal, publicada todas as quartas-feiras, sobre os assuntos do cotidiano político do Brasil.





Olá amigos, voltamos com a 24º rodada da Liga Espanhola. Tivemos jogos importantes que embolaram de vez a tabela de classificação,Real e Barça estão próximos novamente, sem margem para erros nos próximos confrontos. A briga pela terceira vaga na Champions League está pegando fogo, Getafe, Sevilla, Valencia e Atlético disputam ponta a ponto a terceira colocação. Confira:


Valencia 2 x 2 Atlético de Madrid

O principal jogo da rodada colocou times que estão lutando para se classificar à Champions League. O  Atlético se mantém na quarta colocação com 40 pontos,  apenas dois à frente do Valencia que ocupa a sétima posição com 38 pontos.

O primeiro tempo foi dominado pela equipe do Valencia, que se aproveitou do fator casa para pressionar os visitantes colchoneros, ambos os times vieram com duas linhas de 4 jogadores e duas referências na função ofensiva. Com a bola, o time mandante posicionava Dani Parejo um pouco mais adiantado para ter liberdade de armar o jogo e explorar os lados do campo.



Festa de Llorente, placar aberto - Crédito: Reprodução/ Twitter Atlético de Madrid


Apesar do domínio, os mandantes desperdiçavam várias oportunidades de gol, fato que abriu espaço para que o Atleti aproveitasse uma chance de ouro, aos 15 minutos Vitolo fez boa jogada individual no fundo e rolou para Correa que chutou prensado, na sobra Llorente apareceu livre para empurrar a bola para o fundo das redes de Domenéch e calar os torcedores em Mestalla.

Após o gol, o jogo continuou sendo dominado, porém o Atleti se fechou e manteve o jogo truncado com diversas faltas, aos 40 minutos o Valencia conseguiu o empate após grande pressão, Maxi Gomez cruzou e achou Gabriel Paulista livre para cabecear ao fundo das redes.

O empate nem foi muito comemorado, aos 45 minutos, Thomas partiu para cima em uma boa jogada individual, levando toda zaga do Valencia e chutou forte rasteiro para o fundo das redes para virar o jogo, levando Simeone ao delírio.



Kondogbia girando para garantir o placar - Crédito: Reuters

O segundo tempo foi movimentado apenas nos 20 minutos iniciais, com o resultado negativo o time mandante saiu em busca de uma nova blitz pelo empate, aos  13 minutos, Dani Parejo cruzou falta da intermediaria, Kondogbia se enroscou com o zagueiro Felipe, ganhou na força e conseguiu todo desajeitado para impedir qualquer reação de Oblak.

Após os gols, o jogo ficou equilibrado, ambos os times tiveram chances para conseguir virar o jogo, mas pecaram nas finalizações. No final da partida, um empate amargo, que embolou de vez a briga pela terceira vaga na Champions League da próxima temporada. Para Simeone a pressão continua, pois os resultados sob o comando do Atleti não os planejados, mas nessa partida foi possível observar uma gana ofensiva diferente, o desejo por atacar e por marcar gols para sair logo do sufoco, o desafio maior agora é encarar o Liverpool logo nas oitavas da Champions.

Para o Valencia, a temporada tem sido como o planejado, uma grande reconstrução e um padrão de tático organizado sob o comando de Celades, o desafio continua em manter vivo o sonho de avançar nas oitavas da Champions diante à Atalanta e pensar em estar na competição continental na próxima temporada.


Real Madrid 2 x 2 Celta de Vigo


O líder Real, voltou ao seu estádio com a expectativa de fazer um bom jogo para continuar sua arrancada em busca de abrir uma maior pontuação sobre o segundo colocado Barcelona. Já o Celta está em uma temporada caótica, brigando para ficar na zona de rebaixamento, para isso o time não se acanhou, e entrou em campo com o esquema 3-5-2, com dois alas agudos para aproveitar os espaços nas costas dos laterais merengues, Zidane por sua vez escalou o Real no famoso 4-3-3, com Casemiro recebendo apoio de Valverde e Kross, tentando armar jogadas criativas na velocidade de Bale e Hazard, que finalmente foi liberado pelo Departamento Médico.


Surpresa no Bernabéu - Crédito:Reuters


Como adiantado, o Celta explorou bem os lados do campo e conseguiu recuar o time merengue ao campo de defesa, logo aos seis minutos, Iago Aspas saiu da referência do ataque e acertou um belo passe na infiltração de Smolov, com o sistema defensivo destruído pela jogada, o camisa 9 bateu na saída de Courtois e se consagrou em pleno Bernabéu.

Após o gol, o Real acordou para o jogo e criou diversas chances de empatar o jogo, mas a finalização não estava calibrada. Com o recuo do Celta, a principal arma do time merengue foi a bola chutada de fora que levou bastante perigo para a meta de Blanco.

Aos 44 minutos, o zagueiro Aidoo teve a chance de ampliar o placar, porem parou na defesa milagrosa de Courtois, que novamente mostrou sua boa forma e ótimo momento na meta do Madrid, que acabou marcando aos 48 minutos com Sergio Ramos, mas o VAR flagrou impedimento do capitão no momento do cruzamento.


A responsabilidade de tomar atitude para mudar o jogo - Crédito:Reuters


A segunda etapa foi completamente diferente, um Real mais agressivo no campo de ataque apareceu. Aos seis minutos, Marcelo foi ao fundo e jogou bola rasteira para dentro da área, Benzema não conseguiu alcançar, mas Kross chegou chutando de primeira, um verdadeiro míssil sem chances para Blanco defender.



Sergio Ramos, zagueiro artilheiro - Crédito:Reuters 

Aos 18 minutos, a velocidade foi fundamental novamente para o Real, Benzema fez bom toque para Hazard, o belga dominou e foi derrubado pelo goleiro Blanco, pênalti claro e marcado com rapidez pelo juiz. Sergio Ramos foi para a cobrança e em um chute colocado virou o marcador para delírio da torcida merengue.

Com o resultado positivo, o time da casa abaixou a pressão do jogo e tentou controlar o placar, enquanto isso o Celta tomava conta do jogo, com o controle de bola no meio campo ficou fácil para Denis Suárez dar um belo passe entre os marcadores e achar Santi Mina livre para empatar aos 40 minutos do segundo tempo.

No apito final, frustração de tropeçar em um momento tão delicado do campeonato, em que o foco será dividido com a Champions League e um tropeço agora pode causar uma crise enorme para o Real nos próximos meses.




Barcelona 2 x 1  Getafe


Mais um jogo importante na tabela de classificação, o Barça buscava a vitória para se manter em segundo lugar e se aproximar do Real na primeira colocação, se distanciando do Getafe, sensação da temporada e terceiro lugar na tabela. Setién armou o Barcelona no 4-3-3, com Griezmann fazendo a função do falso 9 e Busquets protegendo o miolo de zaga e o Getafe jogou com 4-4-2, fazendo duas linhas para dificultar as jogadas em velocidade e a individualidade de Messi pelas pontas do campo.

Marcação para atrapalhar Messi - Crédito:Reuters 


Os primeiros 20 minutos foram de domínio total do Barça, que empurrou o adversário para o campo defensivo, mas em contrapartida sofreu para conseguir trocar passes incisivos nos metros finais do campo. A individualidade também não funcionou, pois com um esquema bem armado Messi e Fati não conseguiam fazer nenhuma movimentação que quebrasse o posicionamento defensivo e possibilitasse infiltrações pelo espaço.

Embora o domínio catalão, o Getafe usou da bola parada para conseguir dar o primeiro susto do jogo aos 22 minutos, Maksimovic cruzou escanteio, Molina desviou e Nyom apareceu livre para empurrar a bola para o fundo das redes. O VAR anulou o tento, pois no desvio de Molina, Nyom deslocou ilegalmente Fati.


Isolado do grupo, mas decisivo no jogo - Crédito:Reuters
Após esse lance o jogo ficou aberto, e na brecha defensiva aos 33 minutos, Messi colocou bom passe entre os zagueiros achando Griezmann livre, o camisa 17 deu um belo toque de cobertura por cima de Soria, que pouco pode fazer para defender.  Com o resultado positivo o Barça pressionou e foi recompensado, aos 39 minutos, Fati fez boa jogada pela direita e rolou uma bola rasteira na diagonal, Sergi Roberto apareceu livre para mandar um chute forte e rasteiro para ampliar o placar.

O início do sufoco para o Barça - Crédito:Reuters 

Com 2 a 0 no placar o Barça relaxou e abriu espaços no segundo tempo,permitindo que o Getafe tocasse a bola e criasse boas chances ofensivas, aos 20 minutos, Jaime Mata foi ao fundo e cruzou boa bola entre os zagueiros para Angél desviar no contrapé de Ter Stegen.

A partir daí foi um sufoco danado para o time catalão, que chegava a frente ao gol adversário e perdia oportunidades incríveis, Griezmann teve ao menos duas ótimas chances. Com tanto desperdício o Getafe cresceu no jogo e obrigou Ter Stegen a fazer grandes defesas.

No apito final, alívio dos jogadores catalães e sensação de dever cumprido, agora somente um ponto separa o Barça do primeiro colocado Real Madrid, mas fica o alerta é extremamente necessário melhorar o fundamento de finalização pois é um momento que não permite erros e para conquistar algo é preciso acertar o gol.


Outros Resultados

Granada 2 x 1 Valladolid
Sevilla 2 x 2 Espanyol
Leganés  0 x 0 Real Betis
Ath. Bilbao 0 x 1 Osasuna
Mallorca 1 x 0 Alavés
Villareal 2 x1 Levante

*Eibar x Real Sociedad – Adiado devido à um incêndio no aterro sanitário da cidade de Zaldibar




Classificação


Tabela: FcTables.com










Se inscreva em nossos canais no Youtube: TV Jovens Cronistas e confira nosso novo canal exclusivo de esportes, o JC Esportes e nossos conteúdos esportivos, dê sua opinião que é fundamental, 
seu like e divulgue para os amigos! 


Curta nossa página no Facebook: Jovens Cronistas!, siga-nos no Insta: @jcronistas 





No último domingo 16/2 o exército árabe sírio conseguiu recuperar a província de Alepo, importante região do país que nos últimos nove anos foi controlada por grupos rebeldes de oposição ao governo Bashar Al-Assad. Parte dos sírios de Alepo tomou as ruas e avenidas da província para comemorar o feito das unidades do exército, que, desde o início de 2020, têm avançado contra os terroristas do noroeste do país.



Nesta segunda-feira 17/2 militares, diplomatas e agentes de inteligência da Turquia e Rússia reuniram-se em Moscou para discutir a situação na Síria. Os turcos estão presentes com ao menos 70 tanques, 200 blindados e 80 canhões. O cronista Claudio Porto detalha, nesta edição JC Internacional, algumas situações dos últimos dias no país árabe.




Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
E aí corajosos e corajosas?

Tudo certo?

Por aqui, vamos indo. Aqui, como vocês já devem ter notado, cada semana é um assunto diferente.Na semana passada, o assunto foi o Oscar 2020 - leia aqui, hoje trataremos da facilidade do (des)governo Bolsonaro em pautar a imprensa por meio de falas aparentemente despropositadas. Ah, antes que vocês pensem alto eu me adianto: nada que este governo faz é por acaso.



Todas as semanas, desde o início do (des)governo Bolsonaro, são marcadas por falas de ministros que são usadas para desviar o foco. É o secundário tomando lugar do essencial. E, nesses dias que vivemos, este secundário acaba por pautar as redes sociais. E a última semana não foi diferente. Se já tivemos ministro imitando Gene Kelly, presidente "mandando banana" pra imprensa, desta vez tivemos mais uma capítulo em que a luta de classes se fez presente.
Evidente que estou me reportando à fala do ministro Paulo Guedes sobre o absurdo que era "empregada doméstica viajar pro exterior". Mais do que sua fala ser dirigida às empregadas domésticas, seu alvo são os assalariados que se beneficiavam, das condições econômicas favoráveis, para poder viajar de avião. Ou seja, eu,você que lê esta coluna e seus familiares, amigos....
Portanto, meu caro e minha cara, o ministro se referia ao assalariado de um modo geral naquela fala semana passada. O termo "empregada doméstica" foi figura de linguagem. Quando vi/ouvi a fala do ministro Paulo Guedes me veio a mente postagens eivadas de preconceito como esta do ministro. Para ficar em um exemplo, no auge das manifestações depois de 2013, circulou pelas redes sociais uma selfie feita em um aeroporto em que o objetivo era mostrar um cara de chinelos de dedo na sala de embarque. Lembram? a legenda era algo do tipo "O aeroporto virou uma rodoviária". Aquilo tudo desembocou na fala do ministro. Entendeu, agora?
Impressiona o conteúdo das falas de alguns ministros deste (des)governo, além de Paulo Guedes, podemos citar ainda Ricardo Sales e Damares Alves. São momentos de constrangimento explícito para qualquer pessoas que se considere minimamente saudável. Por outro lado, o ministro, que expõe seu preconceito ou sua falta de domínio da língua portuguesa, não se sente incomodado, muito pelo contrário, acha-se no direito de justificar sua exposição como se estivesse incomodando a "patrulha ideológica". O presidente Bolsonaro, quando justificou as queimadas da Amazônia, como sendo obra dos indígenas, colaborou para o FEBEAPÁ de sua administração.

Esse (des)governo me lembra aquele chocolate: "Cada dia uma surpresa."
P.s.: isso que eu não comentei do recolhimento de livros didáticos, do pedido de artistas pelo fim da meia-entrada...é cada dia uma surpresa.
Até semana que vem.

Saudações,

Ulisses B. dos Santos.

Twitter e Instagram: @prof_colorado.

Sobre a coluna

A coluna Sobre Tudo é publicada todas as terças-feiras.
Após o golpe de Estado contra si em novembro de 2019, o ex-presidente Evo Morales está trabalhando para que seu partido, o Movimento ao Socialismo – MAS, consiga retomar o poder no país a partir das eleições presidenciais de maio próximo. Morales aposta na chapa Luís Arce e David Choqueuanca, ambos seus ex-ministros, para recuperar a presidência e também lançou seu próprio nome para um assento no Senado, representando o departamento de Cochabamba, seu reduto eleitoral.




Os cronistas Adriano Garcia e Claudio Porto abordam nesta edição do JC Internacional os obstáculos impostas à candidatura do ex-presidente boliviano e a conjuntura do país vizinho, ainda que o MAS de Evo apareça com vantagem nas pesquisas de opinião.



Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
Nesta edição do JC Express, os cronistas Adriano Garcia e Claudio Porto colocam em dúvida a suposta retomada de crescimento econômico sob o (des)governo Bolsonaro. Os macro indicadores, como em anos anteriores, apontam um contexto de estagnação da economia, com leve alteração no resultado do PIB anual e setores produtivos ainda debilitados.





Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
Foto: Ag. Estado

Olá torcedor alvi verde, cá estamos para o nosso tradicional Papo de Torcedor do Palmeiras em um dia de virada, estreia de gramado, estreia de jogador contratado, visita do atacante Hulk. Foi um dia legal mas nada mamão com açúcar.

Após várias rodadas jogando fora de casa, chegou o dia da estréia o gramado artificial que tanto foi pauta de discussões nos jornais esportivos desde quando o Athletico Paranaense assumiu em 2016 e quando o Palmeiras ainda em 2019 anunciou que nesse ano também adotaria.

Visualmente não estava aquela maravilha, dava para ver algumas listras no campo e os jogadores claramente ainda se demonstravam desacostumados com ele, não chegando nos primeiros lançamentos por ela correr demais, e até alguns escorregões. Depois as coisas se padronizaram mais.

Falando do jogo, o primeiro tempo foi dominado pelo verdão do minuto inicial ao fim, mas com o mesmo problema que eu venho citando em outros textos. Um time não incisivo, tocávamos bola, o Mirassol se recuava e pouco acontecia, o mais próximo foi uma fraca finalização de calcanhar de Luiz Adriano.

O segundo tempo já foi diferente, aos 15 minutos com o Mirassol abrindo o placar após uma falha de Gustavo Gomez, o time acordou e passou a ser incisivo. Pouco tempo após tomar o gol, já estávamos empatados com gol do próprio Gomez para sua redenção.

Com o placar empatado, o Palmeiras tomou confiança e mais uma vez, minutos depois, a virada veio com Veiga, que havia entrado no lugar de Lucas Lima pouco inspirado no primeiro tempo.

Ainda fecharíamos o placar com a assistência de Verón para Luiz Adriano finalizar muito bem.

Bom teste, continuo achando o time com um jogo melhor de se assistir em reação ao ano passado, mas ainda abaixo do piso para poder competir realmente por titulo. No jogo da supercopa essa manhã, ficou claro essa tese.

Nosso próximo compromisso é contra o Guarani na quinta-feira.



Se inscreva em nossos canais no Youtube: TV Jovens Cronistas e confira nosso novo canal exclusivo de esportes, o JC Esportes e nossos conteúdos esportivos, dê sua opinião que é fundamental, seu like e divulgue para os amigos! 

Curta nossa página no Facebook: Jovens Cronistas!, siga-nos no Insta: @jcronistas 


No domingo 9/2 chamou a atenção de todo o mundo a imagem do presidente El Salvador, Nayib Bukele (Novas Ideas), de 38 anos, ocupando o plenário da Assembleia Legislativa do país acompanhado de soldados do exército militar. Muitos compartilharam nas redes sociais o temor com um golpe militar no país centro-americano. 



Não foi um golpe militar, mas uma estratégia de diminuir ainda mais a força eleitoral dos 84 integrantes da Assembleia. Nayib não é apoiado por nenhum(a) legislador(a), mas é muito popular no país (algo superior a 80%, chegando a 90% de popularidade), por sua presença nas redes sociais e pela queda nos indicadores de crimes violentos nos últimos meses. O presidente salvadorenho planejou para que domingo fosse o seu dia: convocou sessão conforme prever a Constituição de El Salvador em seu artigo 167, levou um bando de soldados para intimidar os deputados, que não apareceram, e discursou ao público pedindo votos nas eleições legislativas de fevereiro de 2021. Olha que Bukele tem passado como político de “esquerda” pela Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional – FMLN, pela qual foi eleito, em 2012, prefeito de Nuevo Cuscatlán e, em 2015, de San Salvador, capital do país. Claudio Porto reúne nesta edição do JC Internacional os detalhes da conjuntura de momento em El Salvador.




Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
A semana que começou com o assassinato de Adriano Magalhães da Nóbrega, personagem-chave para as investigações sobre o esquema de rachadinha no gabinete do senador Flávio Bolsonaro, quando este era deputado estadual na ALERJ, e acerca dos mandantes da execução da ex-vereadora Marielle Franco, terminou com a valsa de Sérgio Moro na festa de casamento da deputada federal Carla Zambelli e coronel Aginaldo de Oliveira, diretor da Força Nacional de Segurança.



Entre os dois fatos, mais um militar no Planalto (e não é qualquer); a queda no número de crimes violentos no País em 2019; e a chegada de mais brasileiros deportados pelo governo dos EUA. No meio disso tudo, a força da mobilização dos petroleiros, agora com apoios de peso. Nesta edição do Redação JC, os cronistas Adriano Garcia, Claudio Porto e Nicholas Faria analisam a conjuntura de mais uma semana de (des)governo Bolsonaro.



Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
Olá torcida colorada, bem-vinda a mais um Papo de Torcedor Inter, aqui no Jovens Cronistas, para repercutirmos o Grenal 423, onde o Inter acabou derrotado pelo placar de 1 a 0 e assim não avança a final do 1° turno do Campeonato Gaúcho. A derrota do Inter, passa por uma serie de fatores que demonstraram a inexperiência de Eduardo Coudet sobre o clássico.

Foto: Ricardo Duarte

O Inter foi a campo com Marcelo Lomba, Rodinei (Thiago Galhardo), Bruno Fuchs, Cuesta e Moisés, Musto, Edenilson, Lindoso (Zé Gabriel) e Boschilia (Marcos Guilherme), D'Alessandro e Guerrero. Eduardo Coudet mandou o time a campo no 4-1-3-2, mas cometeu um erro crasso ao modificar a dupla de zaga, ao tirar Rodrigo Moledo, o melhor zagueiro na bola aérea, para a entrada de Bruno Fuchs, que entrou devido a melhor saída de bola, mas isso não ocorreu.

Logo aos 3 minutos, o Grêmio quase abriu o placar, mas Alisson errou o passe para Diego Souza. Aos 23, D'Alessandro fez cruzamento da direita para Guerrero, que cabeceou para fora. O Grêmio chegou a marcar aos 37, quando Victor Ferraz tocou para Diego Souza, que passou como quis, girando sobre Bruno Fuchs e tocou para Everton, na pequena área, que chutou marcando o gol, que foi corretamente anulado pelo VAR.

Resultado de imagem para musto expulso
Foto: Imagem da Partida / Premiere

Aos 46, em contra-ataque do Grêmio, Musto que já tinha cartão amarelo, puxou Diego Souza e acabou expulso. Aqui Musto mostrou total desconhecimento do adversário, pois Diego Souza é lento, o lance ocorre no meio-campo e ele nada iria fazer que justificasse cometer a falta para ser expulso da partida. Aos 48, David Brás tocou na esquerda para Cortez, que cruzou rasteiro e Everton chutou marcando o gol, mas este foi corretamente anulado por impedimento.

Diego Souza marcou o gol da vitória do Grêmio sobre o Inter no Beira-Rio
Foto: Fabiano do Amaral

No segundo tempo, a grande oportunidade do Inter ocorreu aos 34 minutos, Rodinei. avançou pela direita até a linha de fundo, e cruzou rasteiro, mas nem Guerrero, nem Marcos Guilherme conseguiram finalizar. Aos 46, quando Coudet, já pensava nas penalidades, e não mudava o time, Pepê foi a linha de fundo pela esquerda, tocou para trás para Everton, que fez cruzamento e Diego Souza deu a vitoria ao Grêmio, que assim avança a decisão do Gauchão. O Inter até tentou o empate aos 49, após cruzamento de Cuesta da esquerda, em que Guerrero cabeceou, mas Vanderlei, fez grande defesa e evitou o gol. 

Aqui vem uma crítica ao gol do Grêmio, em que falhou todo o sistema defensivo do Inter. 1° Bruno Fuchs, sai para dar o bote em Pepê, mas ao invés de decidir a jogada, apenas acompanha o adversário, zagueiro quando sai no bote, tem que definir o lance. 2° Rodinei permitiu o cruzamento de Everton, que tem qualidade. 3° Cuesta tentou sair para deixar o ataque gremista em impedimento e quando mudou de ideia, tentou impedir o cruzamento, mas sequer saiu do chão. 4° Moisés não realizou a linha de impedimento e deu condições para o gol.  

Foto: Ricardo Duarte

Bruno Fuchs que entrou para dar melhor saída de bola, não justificou sua entrada, errando muitos passes simples e lançamentos. Sua entrada acabou piorando a bola aérea defensiva, pois perdemos a imposição de Rodrigo Moledo. Fuchs é jovem tem potencial, mas não deveria ter entrado justamente no Grenal. Time perdeu força na bola aérea defensiva e justamente neste quesito viemos a sofrer o gol de Diego Souza. Cuesta já se mostrou falho também em bolas aéras, bosta rever os gols do São Luiz, no jogo em Ijuí.

Foto: Ricardo Duarte

Eduardo Coudet pagou pela inexperiência em Grenais, ao mudar o sistema defensivo e deixá-lo ruim na bola aérea, forma da qual justamente sofremos o gol. Outro erro de Coudet, foi o de manter os experientes no time, mesmo com eles esgotados, pensando já na cobrança de pênaltis ao invés de tentar modificar o time para buscar a vitoria nos 90 minutos, Sei que estávamos com um jogador a menos, isso é uma constatação, pois mesmo assim, conseguimos jogar de igual para igual contra nosso rival. 

Foto: Ricardo Duarte

Outro que pagou por sua inexperiência em Grenais foi Musto. A forma que foi expulso foi grotesca, pois Diego Souza é lento e estava muito distante do gol, não precisava ter cometido tal falta. Faltou conhecimento de Musto sobre o adversário, pois aquele tipo de jogada, poderia ser evitada de outra forma e não com a expulsão que contribuiu com a derrota, pois jogamos todo o 2° tempo com um jogador a menos. 

Com o resultado o Grêmio avança a decisão do 1° turno do Gauchão. O Inter agora foca apenas na Libertadores, onde enfrentará o Tolima da Colômbia, pela 3ª Fase. A primeira partida ocorre na quarta-feira (19), em Ibagué na Colômbia e o jogo de volta ocorre no dia 26, no Beira-Rio. Não podemos fazer terra arrasada e agora é reunir forças, corrigir os erros e concentrarmos nos jogos da Libertadores.



Se inscreva em nossos canais no Youtube: TV Jovens Cronistas e confira nosso novo canal exclusivo de esportes, o JC Esportes e nossos conteúdos esportivos, dê sua opinião que é fundamental, seu like e divulgue para os amigos! 

Curta nossa página no Facebook: Jovens Cronistas!, siga-nos no Insta: @jcronistas 

Em mais uma edição do JC Internacional, o cronista Claudio Porto repercute os exercícios militares na Venezuela, realizados nos dias 15 e 16/2 e motivados, em certa medida pelo ações do (des)governo brasileiro, e a manifestação oficial do governo de Nicolás Maduro junto à Corte Penal Internacional contra as sanções e bloqueios econômicos dos EUA. A Venezuela acusa o governo estadunidense de crimes de lesa pátria ao impedir, com as medidas, a compra de medicamentos e alimentos, por exemplo.




Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
O cronista Claudio Porto apresenta mais uma edição do JC Internacional, abordando, desta vez, a situação de momento na Síria, palco de uma guerra civil desde 2011. Nesta edição, o contexto da disputa recente entre Síria e Turquia, com a participação da Rússia, na ofensiva do exército sírio para retomar a região noroeste do país.





Ajude-nos a alcançar cada vez mais inscritos na TV JC. Inscreva-se no canal, avalie os vídeos e ative o "sininho" para não perder nada.

Contribua com nossa Vakinha: http://vaka.me/469309
Assine, e apoie o projeto a partir de qualquer valor: https://apoia.se/jovenscronistas

Apoie por meio das seguintes contas bancárias:

Bradesco Ag: 99 C.C: 324035 - 5 | Adriano Garcia
Caixa Ag: 1103 Operação: 013 Conta: 20002-0 | Claudio Junior Porto Santos
Itaú Ag: 2777 C.C: 02351-2 | Claudio Junior Porto Santos
Com o advento do bolsonarismo, desde 2018 a massificação de fake news e a perseguição a vários jornalistas, ditos, opositores, é evidente. Um recente caso para desdobrarmos esses fatos é o ocorrido entre Hans River e a Jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. O ocorrido claramente se baseia num conceito fundamental: até que ponto a desinformação e a acusação de comunicadores estão em jogo? A verdade ou a mera informação relatada corre perigo?


A situação envolvendo Hans e Patricia se desenrolou na CPMI das Fake News, onde o ex-funcionário da Yacows (Hans) relatou, em depoimento, que a jornalista teria se valido de insinuações sexuais para obter informações dele.

É evidente que, além de misoginia e machismo, Hans propagou uma fake news na própria CPMI das Fake News. A jornalista foi a público esclarecer os fatos, relatando no próprio Twitter que Hans teria, na verdade, chamado ela para sair e verificar informações. Para os leitores, quero esclarecer que a Yacows é uma empresa que espalhou informações falsas na época de campanha de Jair Bolsonaro a presidente em 2018. Ela se apropriou de CPFs falsos, chips com números não identificados e até planos internacionais. Tudo que a jornalista Patrícia fez foi esclarecer, em uma série de reportagens, a manobra da Yacows sobre as fake news.

Esse caso entre os dois indivíduos em relação a CPMI não é isolado. Temos também a perseguição ao jornalista e advogado Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, que, desde junho de 2019, vem divulgando fatos sobre a Operação Lava Jato, na chamada Vaza Jato. Glenn foi acusado várias vezes de obter informações confidenciais de personalidades, como Deltan Dallagnol e Sérgio Moro, por ter denunciado, entre outras coisas, o envolvimento do ministro Luiz Fux com procuradores da Lava Jato para fins pessoais e lucrativos.

Fake News (Foto: vchal/iStock)
Outra noção de perseguição, mas não tão esclarecida, são os ataques maciços que jornalistas vêm recebendo na internet e no próprio Palácio da Alvorada. Noções como as de Jair Bolsonaro, de chamar um jornalista de "cara de homossexual terrível" ou falar que iria "cortar" as coletivas, porque para ele, jornalistas não relatam a verdade. É nesse ponto que entramos no assunto que repercute este artigo: a perseguição a jornalistas e as fake news, possuindo todos o mesmo ponto do autoritarismo, a mídia e a cegueira informativa da população.

As fake news não são algo que complicam a vida do próprio jornalista, mas sim, de vários comunicadores e até blogueiros. Essa onda de utilizar-se da propaganda excessiva com um toque de desinformação é algo que está sendo praticado no mundo afora há alguns anos. Iremos comentar sobre isso a seguir:

Os artifícios do autoritarismo midiático no mundo afora contra comunicadores em seu serviço informativo

De acordo com o livro "Como funciona o fascismo", de Jason Stanley, não é só no Brasil que ocorre o advento da desinformação coletiva e desenfreada. Exemplos que podem ser esclarecidos diretamente são o ano de 2016, com a eleição de Donald Trump, pelo Partido Republicano nos Estados Unidos; as medidas escancaradas de Marine Le Pen na França, pelo Partido Rassemblement National (Frente Nacional), em relação ao progressismo e teorias da conspiração; e a posse de Viktor Orbán na Hungria, pelo Partido Fidesz, que se apropriou de discursos extremistas do Neofascismo para divulgar mentiras sobre seus opositores e perseguir a mídia.

Marine Le Pen (Foto: AVEC/AFP)
Indo de encontro com o autor mencionado no parágrafo anterior, Stanley descreve a propaganda anti midiática no quesito contra a democracia. O líder do Executivo se apropria da comunicação como um meio de receber atenção e aumentar o número de eleitores, e, em caso de pessoas contra seus ideais, é censurado ou perseguido.

Exemplo disso foi o ato da SECOM no Brasil, usada pelo secretário Fabio Wajngarten e Jair Bolsonaro contra Petra Costa e seu documentário Democracia em Vertigem. O veículo governamental foi usado para publicar que a cineasta era "militante anti Brasil", isto é, que estava divulgando mentiras sobre o País mundo afora.

Ainda mencionando o autor, no capitulo quatro, vai de encontro às fake news: As teorias da conspiração fundamentadas pelo mundo. Com a relevância cada vez maior na internet da extrema direita, pessoas como o astrólogo Olavo de Carvalho e outros conspiracionistas pelo mundo ganharam força e voz.

O tal "Marxismo Cultural" ou que "George Soros" era um grande globalista perverso são exemplos do que as conspirações são capazes de produzir, se possuírem destaque. O que eles têm em comum com a desinformação? Ora, começa-se o questionamento de tudo que foi ensinado pelos ministérios da Educação e até livros produzidos por intelectuais.

A noção de verdade e comprovações começa a correr severos riscos. Fatos como escravidão, racismo, dívida histórica e até democracia entram em jogo. É aí que a mentira repercute e gera alienação governamental e populacional perante à ideologia extremista vigente. Por exemplo, a entrevista dada por Bolsonaro ao Roda Viva em 2018, antes das eleições, é uma clara demonstração. O capitão da reserva falou que quem dava os escravos para os portugueses eram os próprios negros. Falou-se também que a pesquisa e ciência tinha crescido, além de ir contra cotas raciais, deslegitimando o fato e o quanto é necessário essa medida para a história do Brasil.

Mencionando o mundo afora novamente, temos as mentiras de Viktor Orbán sobre Soros e a própria Hungria. O primeiro-ministro cita a imigração, pautando que "a imigração aumenta o crime, especialmente crimes contra as mulheres, e libera o vírus do terrorismo". Tal fala foi transmitida pelo site Al Jazeera, um meio árabe.

Para fechar esse ponto, podemos destacar algumas falas de Marine Le Pen, com fake news: “Espero que não descubramos que você tem uma conta offshore nas Bahamas. Não sei. Eu não tenho ideia”, quando se referiu ao seu candidato rival Emmanuel Macron nas eleições passadas na França, tentando culpabilizá-lo por atos que ele nem praticou. Essas falas são do jornal El País

Considerações finais

Para encerrar o post, é evidente que o que foi divulgado é o esclarecimento do por que surgiu-se tanta propagação de fake news em épocas de campanha e até durante os mandatos de vários líderes do pelo mundo.

Para notar-se essas ações é necessário prestar a atenção nos ataques desses indivíduos ditos como salvadores do "sistema" vigente. Rebaixar adversários, perseguir comunicadores e cineastas como mencionado e até teorias da conspiração que foram ditas são características que podem ferir a democracia de um País.
Para modificarmos esse problema, caberia a população se informar com veículos independentes ou vigiar-se detalhadamente os jornais corporativistas. Isto é, filtrar e questionar. O apoio à justiça comunicativa e a buscar pela informação, deve partir de classes diversas, independente da divergência exposta entre elas.

Sobre a coluna

A coluna Democracia de Fato é publicada sempre aos sábados.