Olá a todos e todas!  Como vocês estão? Por aqui, vai-se indo...

Na coluna da semana passada discuti a proposta de retorno às aulas presenciais em todos os níveis. A verdade é que quem decide, ou sugere como eles gostam de dizer, pelo retorno das aulas presenciais dá entrevistas via meet, online...de qualquer modo, mas nunca presencial. Todos os grandes eventos no Rio Grande do Sul ou foram cancelados ou serão online. Se é assim com todos, porque as aulas tem que voltar ao presencial? Mas, se você quiser ler mais sobre o que escrevi na coluna, clique aqui.

Desde pequeno sempre fomos acostumados com o sete de setembro e toda a sua simbologia. A história por trás do processo de independência, os símbolos presentes no quadro "Independência ou Morte",de Pedro Américo sempre serviram para ilustrar o famoso "dia da pátria", mesmo que não se entendesse o real significado daquela obra.

Onde está o povo neste quadro?


Mas este ano o sete de setembro mudou de significado. Lula mudou o significado desta data. Em seu último discurso antes de ir para o cárcere em Curitiba, Lula disse algo que, naquele momento, até pareceu pretensioso: "Eu sou uma ideia." Lula estava errado. Lula não é uma ideia...Lula é o tempo, o tempo verbal. Desde o momento que ficou-se sabendo que o presidente Lula iria se pronunciar as pessoas mudam seus sentimentos sobre o que dirá o ex-presidente. Na lenda maia, Lula é um homem de milho esperado por uns com medo, por outros com esperança.

E Lula discursou durante quase trinta minutos. Lula falou sobre a crise da Covid19, a incompetência do governo Bolsonaro. O presidente Lula mais uma vez mostrou uma característica que o torna um pesadelo para qualquer adversário político: o conteúdo de seu discurso. Os adversários devem teme-lo, mais do que teme-lo, devem ter inveja...devem pensar: " Como esse cabra discursa bem!!!"

Lula sabia que as repostas viriam. E elas vieram mais rápido do que ele poderia supor. De um lado, de setores da esquerda, especialmente  no PT as redes sociais vibraram e repercutiram positivamente aspectos e trechos da fala do ex-presidente.

Do outro lado, a resposta veio e em dupla e com claro viés de retaliação. A primeira resposta foi da Câmara dos Deputados em que retomaram a discussão sobre a prisão após condenação em segunda instância. A outra resposta foi a operação da Lava Jato do Rio de Janeiro no escritório de seu advogado, Cristiano Zanin. Fica a impressão que foi uma tentativa dos atores da Lava Jato no sentido de tentar uma sobrevida para a Operação, mesmo depois do acordão "com o supremo, com tudo. Afim de estancar a sangria".

Lula mostrou a que veio, mostrou que está disposta a ir à luta. A verdade é que Lula tem seu destino nas mãos daqueles que ou irão protelar ao máximo e o quanto puderem ou ainda darão resposta contrária aos seus interesses. Se a justiça fosse realmente isenta e justa, deixaria com que Lula voltasse a vida pública para disputar uma eleição. Daí, veríamos do que esta nação é feita. 

Volta Lula, nosso homem de milho!

Livro da semana: "Frida e Trotsky", Gerard  de Cortanze

Até semana que vem.

Saudações,

Ulisses B. dos Santos.

Twitter e Instagram: @prof_colorado

Sobre a Coluna

A coluna SobreTudo é publicada sempre às terças-feiras.




Compartilhe:

Ulisses Santos

Sou um cara solidário e humanista. Procuro ser empático com o outro. As relações humanas fazem com que cada um de nós seja alguém que ao acordar é uma pessoa e ao dormir seja outra. Sou professor da rede pública estadual do RS desde 2002 e escritor desde sempre. Tenho livros escritos sobre a história de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul. Atualmente estou concluindo a graduação em Jornalismo.

Deixe seu comentário:

0 comments so far,add yours