Um levantamento feito pelo Ministério Público Federal (MPF) mostrou que uma das principais causas de violência contra populações indígenas está relacionada à ocupação e à exploração de terras. Neste levantamento, estão incluídas também comunidades tradicionais como: quilombolas, ribeirinhos e ciganos. Mas os indígenas são os que mais sofrem violência nas mãos dos criminosos.



Segundo o Subprocurador da República, Antônio Bigonha, essa pesquisa nos mostra que ainda estamos muito atrasados na questão de regularização dos territórios ocupados pelos indígenas, como prevê a Constituição brasileira. “Infelizmente, vemos a cada dia o governo ceder mais e mais aos interesses do agronegócio e da expansão agrícola em detrimento dos direitos indígenas, de quilombolas e de outras minorias em relação à terra, o que fomenta os conflitos no campo e a violência contra populações tradicionais”. Disse o Subprocurador.


O mais pungente, neste levantamento do MPF, é que a pesquisa mostra que o ato violento se encontra em plena ascensão. Com o atual governo, a intimidação contra os indígenas vem aumentando e, consequentemente, a destruição nefasta do nosso meio ambiente. Isso tudo vem incluindo a recente denúncia de que o Ministério do Meio Ambiente vem acabando com a autonomia do IBAMA.

Os dados do MPF nos revelam, também, os estados com maiores números de ocorrências de atos violentos: Pará, com 55 registros, vem em primeiro lugar; Rio Grande do Sul e Bahia, com 32 casos, ocupam a segunda posição; em terceiro, vem o Amazonas, com 29 casos. Inclusive, no Pará, a selva já vem virando pasto há muito tempo e, nesse governo, vem concretizando ainda mais a destruição das florestas.

Vale ressaltar que o genocídio da população indígena vai aumentar mais com a pandemia que o país enfrenta. O discurso assassino de Jair Bolsonaro atinge os povos mais oprimidos e a população indígena se encontra neste holocausto insano. O número de indígenas infectados pela COVID-19 aumenta a cada dia, e a falta de apoio a essas populações em meio à crise mostra o plano de sacrifício satânico que este governo vem promovendo. A matança dos indígenas, em território brasileiro, é um atestado de que este governo não tem nada de nacionalista, é mais um tecnocrata com uma ala de sociopatas macabros e charlatões disfarçados de cristãos. A frase “Brasil acima de tudo e Deus acima de todos” é apenas um merchandising malévolo, que esconde uma agenda genocida de Jair Bolsonaro e seus asseclas.


Sobre a coluna

A coluna Notas do Cotidiano é publicada sempre às sextas-feiras.


Compartilhe:

Jonas M. Carreira

Professor de História -- Insta: @profjonascarreira -- Twitter: @jonasmcarreira

Deixe seu comentário:

2 comments so far,Add yours

  1. Parabéns pela estreia amigo. Muito importante sempre denunciar esses crimes e a inércia do Estado na defesa da população tradicional, que tem uma história de sofrer com o exterminio no Brasil.

    ResponderExcluir