Banner 1

JC Agora

Editorial – No aniversário da morte de "Índio", Plínio foi a vítima da vez

Caso do ambulante morto a socos e pontapés ao defender travestis na região central não cairá em esquecimento, assim como a luta agora é por esclarecimentos sobre o assassinato a facadas de um cabeleireiro gay na Av. Paulista

Atualizado em 26/12/2018, às 9:54.

No último dia 25 completou-se exatos dois anos do assassinato de Luiz Carlos Ruas, vendedor ambulante morto a socos e pontapés nas dependências da estação Pedro II do Metrô, na região central de São Paulo. Com então 54 anos, Ruas tinha o apelido de “Índio”, por conta dos traços e da tonalidade da pele, e morreu ao defender da violência gratuita de dois homens duas moradoras de rua travestis. À princípio, as garotas tinham chamado a atenção dos rapazes por estarem urinando em uma das paredes externas da estação. Em depoimento prestado em 2017, “Brasil” – apelido da travesti Raíssa, uma das vítimas – disse que chegou a ser coagida pelos homens sob a acusação de que teria furtado o aparelho celular de um deles.
Imagem: Jornalistas Livres
Ao longo de 20 anos, Índio esteve ali em frente a uma das entradas da estação vendendo bebidas, doces e salgadinhos. Ao pôr do sol daquele dia, ele arrumava os produtos de seu carrinho antes de seguir ao compromisso da noite: a ceia com a esposa Maria de Oliveira, com quem foi casado por mais de 30 anos. Ela ajudava no comércio e havia saído pouco antes das agressões para preparar o jantar – a situação financeira daquele mês não permitiu que tirassem folga no feriado de Natal.

Maria preparou o jantar e aguardou o esposo que não veio. Em seu lugar, a notícia de que seu companheiro havia sido espancado até a morte, numa briga covarde em que perdeu a vida em defesa da diversidade.

Na tevê, graças a imagens do circuito interno de segurança, Índio aparecia defendendo-se do ódio que lhe atingia na forma de socos e pontapés desferidos pelos primos Alípio Rogério dos Santos – 28 anos – e Ricardo Nascimento Martins – 22 anos. Caído sobre o piso da estação, Ruas morreu por não ter se omitido.
Arte: Grupo Gay da Bahia
Dois anos após o assassinato, no dia 15/12, o júri popular constituído para julgar os assassinos manteve a prisão dos primos, alterando apenas o tipo: de preventiva para 15 anos e três meses de reclusão em regime fechado por “homicídio qualificado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima”. A repercussão do caso talvez tenha, sim, colaborado com tal desfecho jurídico – considerado rápido para os parâmetros do lento sistema judicial brasileiro. Mas, no final das contas, trata-se de justiça que segue ritos pré-estabelecidos, permite-se investigar e apresenta conclusão – processo com condicionantes que nos distanciam do “olho por olho” e que, por infelicidade, têm perdido espaço no Brasil.

Apesar de a decisão do júri, que, sim, responde à altura o grito por justiça que permeava a morte de Luiz Carlos Ruas, o caso do Índio vai além do campo judicial. Ele é simbólico e deve ser lembrado por ter suscitado a reflexão, ainda que com muita crueldade, sobre a situação da comunidade LGBT no Brasil, país que mais mata pessoas desse grupo social no mundo. De acordo com a ONG Grupo Gay da Bahia, responsável por levantamentos anuais sobre violência contra homossexuais, até outubro 346 pessoas foram mortas por crime de ódio. O relatório mais detalhado com o número final de vítimas fatais deve ser publicado somente em 2019 e leva em consideração apenas crimes notificados, deixando de fora os subnotificados, aqueles em que a vítima não presta queixa, e os omitidos pelo Estado, que por vezes se nega a colaborar porque prevê críticas à falta de políticas públicas inclusivas.
Arte: Grupo Gay da Bahia
A permanecer tais dígitos, o número representa queda de aproximadamente 22,3% em relação a 2017, quando foram registrados 445 homicídios por LGBTFobia em todo o País, sendo que 12 das vítimas eram heterossexuais com ou sem vínculos com o chamado universo LGBT, como o caso de Ruas, que teve de sair em defesa de dois gays. Ainda segundo o Grupo Gay da Bahia, a cada 19 horas um LGBT é assassinado ou comete suicídio por homotransfobia.

Já a REDETRANS Brasil, instituição que também analisa e cruza informações sobre homicídios de integrantes do grupo social, 123 pessoas foram assassinadas até outubro – 125 pessoas haviam sido mortas até setembro de 2017.

O Estado, na figura do Ministério dos Direitos Humanos, também reforça a percepção de que os crimes contra pessoas LGBT registrados têm diminuído, ao menos quanto às denúncias formais por meio do “Disque 100” – serviço telefônico gratuito para vítimas de violações de Direitos Humanos. De acordo com o órgão, 560 denúncias foram registradas no 1º semestre deste ano contra 1720 protocoladas em todo o ano passado.

Os dados oficiais, inclusive de entidades não governamentais, parecem mostrar queda no número de casos, sobretudo de mortes, motivados por homofobia. No entanto, a falta de políticas públicas de inclusão e a chegada ao Poder de um grupo político fundamentalista e conservador devem impedir grandes avanços no combate afirmativo ao ódio impetrado em ideias retrógradas que se colocam contra a diversidade e o mundo moderno.
Foto: Reprodução / Folha de S. Paulo
No jogo do tempo os fatos ocorrem e a realidade grita. Naquele mesmo 25 de dezembro completou-se quatro dias da morte do cabeleireiro homossexual Plínio Henrique de Almeida Lima. Ao lado de seu marido e de outro casal gay, o rapaz de 30 anos voltava do Parque Ibirapuera pela Av. Brigadeiro Luís Antônio quando, no cruzamento com a Av. Paulista, dois homens incomodados com o grupo de homossexuais e por que estavam de mãos dadas começaram a gritar xingamentos e ofensas. Segundo consta do boletim de ocorrência, um dos colegas de Plínio teria partido para vias de fato com um dos homens, que, agredido, pegou uma faca e desferiu ataques ao peito do cabeleireiro, que chegou a ser encaminhado à emergência do Hospital das Clínicas, mas não resistiu aos ferimentos. Plínio parece ter perdido a vida na mesma batalha que vitimou Luiz Carlos Ruas há dois anos.

Que o Natal, produto nobre do mundo publicitário, possa um dia ser mais justo e verdadeiramente feliz. Enquanto “Luizes”, “Plínios” e tantos outros tiverem de perder suas vidas em atos que, com muito custo, resistem ao silêncio e esquecimento da opinião pública, sentimentos como indignação, revolta e infelicidade são naturais.

Não é errado sentir-se infeliz quando as coisas não estão bem. É um erro e tolice comemorar sem ter o que comemorar.

Feliz Natal!

ATUALIZAÇÃO: O portal UOL informou, na manhã de quarta-feira 26, que a Polícia Militar do estado de São Paulo prendeu Fúvio Rodrigues de Matos, homem identificado por câmeras de segurança como responsável pelo ataque com um canivete à Plínio Henrique de Almeida Lima. Em depoimento obtido pelo site, Fúvio diz que,"em certo momento, começou a chover e eu falei para o meu colega: 'corra que nem homem'. Nesse momento, uns quatro rapazes passavam por mim e um deles, esse com o qual eu briguei logo depois, me disse: 'você está falando comigo?'". Matos afirmou ainda ter se arrependido do que fez. "Eu falei: 'vai embora, que eu não quero confusão'. Então, eu estava apavorado, desci a escada e fui embora. Eu quero dizer que sou trabalhador e não queria confusão. E estou muito arrependido pelo que aconteceu", declarou.


Para críticas, sugestões ou dúvidas, deixe sua opinião na seção "comentários" logo abaixo ou escreva para: cons.editorialjc@gmail.com

Compartilhe nosso conteúdo nas redes sociais e clique aqui para conhecer a página de Política do JC!

Curta nossa página no Facebook: Jovens Cronistas!, siga-nos no Insta: @jcronistas e se inscreva em nosso canal no Youtube: TV Jovens Cronistas

Nenhum comentário