Banner 1

JC Agora

Rússia 2018 - O talento francês venceu


Amigos! Iniciando esta fase de quartas de final, com toda modéstia. o que eu imaginei e comentei na antevisão desta fase aconteceu, a França com seu grande talento, com seu melhor meio-campo, com a qualidade de Griezmann e Mbappé, venceu um Uruguai de muita garra, muito coração, mas sem Cavani, com quatro volantes e sem goleiro, num jogo com poucos sustos para os franceses, garra e choro dos nossos irmãos uruguaios.


O jogo começou com um Uruguai até mais incisivo ofensivamente, com mais posse, porém na crítica que sempre fizemos aqui, não dizendo que a linha de meio uruguaia seja "ruim" de todo, defensivamente são ótimos, mas não tem nenhuma capacidade criativa, ainda mais sem De Arrascaeta no time.

Com isso, o time francês começou a explorar a habilidade de Mbappé na velocidade, causando tormento as linhas defensivas uruguaias, sobretudo pelo lado defendido por Laxalt. Após a metade da primeira parte, o domínio inicial uruguaio foi totalmente desfeito, a França com muito mais volume de jogo e talento, chegou ao gol aos 39 minutos na jogada aérea, com Varane. O Uruguai tentou reagir ainda no primeiro tempo na mesma moeda, com cabeçada de Cáceres parada espetacularmente por quem é verdadeiramente um goleiro de seleção, Lloris, espetacular.


Na volta do intervalo o cenário de domínio francês foi mantido e ampliado, Tabarez tentou mudar, tirando o decepcionante Stuani para a entrada do garoto Maxi Gomez do Celta e um dos membros da tropa de volantes para a entrada de Cebola, porém o golpe fatal veio em seguida, com Griezmann, que finalizou para o gol no contragolpe e "sem goleiro", "a coisa" que estava no gol frangou, como sempre fez em sua carreira, momento patético (mais um) de um cara que inacreditavelmente é o "goleiro" que mais vezes vestiu a camisa uruguaia.

A última tentativa de Tabarez foi com o atacante Urretavizcaya na vaga de outro volante (sobra pra tirar nesse time), mas apesar da luta a França seguiu até com certa tranquilidade controlando e levando a partida para o final. Gimenez, um dos líderes deste time, já chorava antes mesmo do apito final, que consagrou a vitória do melhor time tecnicamente falando, o mais talentoso neste duelo, o time francês. Uma pena para o Uruguai, um time com quem nos identificamos muito, lutador como seu povo, mas "só" com dois grandes zagueiros e dois excepcionais atacantes não se pode vencer uma equipe como a França, a "justiça" pelo melhor talento e qualidade foi feita neste jogo, simpatias a parte.


Então é isso, sem nenhum tesão ou vaidade por estar correto, mas aqueles que efetivamente nos leem (quem não lê, não importa) sabe que as críticas que venho há muito tempo fazendo ao Uruguai são no aspecto criativo do meio campo, nada de algum antismo. Quando o time precisou atacar, quando precisou ter CRIAÇÃO, quando precisou que o setor mais importante do time funcionasse que é o MEIO CAMPO, isso inexistiu, então, está muito claro o nosso posicionamento sobre essa deficiência crônica que tem a atual geração uruguaia, que nem por isso deixa de ter nossa admiração, pela luta, pela coletividade, pelo coração com que jogam.

Sobre Muslera, na realidade estava demorando, um PÉSSIMO goleiro, um horror. Seja comentando campeonato italiano ou até mesmo em uma web-rádio onde comentei jogos dele na Turquia, quase todo jogo disso que eu acompanhei na vida teve insegurança total e frango. É uma pena que isto vista (e com recorde de participações) uma camisa tão gloriosa e vejam que Martin Silva é muito mais goleiro, porém tal qual na Argentina, não tem a grife (furada nestes casos) de jogar na Europa.


O adversário da França na semifinal será a Bélgica, num jogo onde seus talentos funcionaram e os do Brasil não, acabou derrotando por 2 x 1 a Seleção Brasileira, apesar da tristeza de não vermos o Brasil na semi, fica a certeza de um jogo fantástico de semifinal, que terá aqui o nosso acompanhamento.



Curta nossa página: Jovens Cronistas! (Clique)




Foto: Getty. 



Nenhum comentário