Banner 1

JC Agora

Papo de Torcedor VASCO – Estreia, empate, vaias e incertezas


Na estreia do Luis Fabiano, o Vasco jogou mal e ficou no empate com o Macaé. Torcida não gostou e criticou bastante o técnico Cristóvão Borges e o presidente Eurico Miranda.


Luis Fabiano passou em branco na sua estreia pelo Vasco (Foto: Thiago Ribeiro/Framephoto/Estadão Conteúdo)

Após o empate em casa para o Vitória em jogo válido pela terceira rodada da Copa do Brasil, o Vasco empatou novamente, só que dessa vez no estádio Nilton Santos contra o Macaé pelo placar de 2 a 2. Os gols foram marcados por Nenê e Rodrigo para o Vasco e Hudson e Rafinha para o Macaé.
 
O primeiro tempo começou com ritmo baixo, com o Macaé jogando recuado, atrapalhando a parte ofensiva do Cruzmaltino. A primeira chance surgiu aos seis minutos, com Jean, mas Milton Raphael defendeu. Aos quatorze minutos, Nenê recebeu dentro da área, driblou Aislan e fazendo um belo gol, abrindo o marcador para o Vasco. Estreante do dia, Luís Fabiano, teve chance de fazer seu primeiro gol com a camisa cruzmaltina. Aos 20, chutou firme, forçando Milton Raphael a fazer uma bela defesa. Aos 26 minutos, Hudson, de cabeça, empatou para a equipe do Macaé e aos 44’, Rafinha recebeu passe pela direita do ataque, invadiu a área e guardou. virando para o leão deixando os vascaínos revoltados e atacando o técnico Cristóvão Borges com vaias e gritos de 'Ei, Cristovão, vai tomar no c...' sendo ouvidos das arquibancadas do Nilton Santos.

No segundo tempo, o Vasco quase empatou logo aos quatro minutos, com Rodrigo, cabeceando no travessão. Aos onze minutos, Douglas chutou e assustou em cobrança de falta, mas no lance seguinte, a linha defensiva do Vasco falhou e quase entregou o terceiro gol, mas Alan cabeceou pela linha de fundo. Aos 20 minutos, Luís Fabiano cabeceou em cima de Milton Raphael, dando o rebote para o Rodrigo, que chutou firme e empatando para o Vasco. Aos 36’, o Vasco virou com uma bela cobrança de falta de Nenê, mas a bola bateu na trave.

Após o empate em 2 a 2 diante do Macaé, Cristóvão Borges falou em coletiva após deixar o gramado do estádio Nilton Santos, reconhecendo a apresentação abaixo da expectativa de seus comandados, mas visando o jogo de volta contra o Vitória, no Barradão, válido pela terceira rodada da Copa do Brasil.

“Não conseguimos porque foi o dia em que jogamos mal. Não jogamos bem. Tivemos muitas dificuldades em fazer coisas que fazemos normalmente. Não encaixamos a marcação. Permitimos ao Macaé que tocasse a bola sem conseguir pressionar. E com isso a gente foi tendo dificuldade no jogo. E eles puderam controlar com essa distância que a gente deu na marcação (…) Agora é preparar a equipe para o jogo decisivo. Agora estamos jogando só partidas decisivas. Na quinta-feira vamos jogar nossa classificação para passar de fase. Preparação para um jogo desse tipo.” Comenta o técnico vascaíno.

Até a partida anterior, eu defendia a permanência do Cristóvão no comando do Vasco, mas depois da partida de hoje, com o time que será o time titular no primeiro semestre desse ano, já vejo uma mudança drástica no time. Dos reforços para o inicio da temporada: Gilberto, Kelvin e Jean tiveram atuações muito ruins hoje. Wagner e Muriqui sumidos em campo, enquanto Luís Fabiano teve uma boa estreia e quase fez um gol para equipe. Jean até vinha rendendo bem quando tinha companhia, mas liberam Douglas, Wagner e os laterais, deixando ele sozinho na proteção,  acabou caindo de produção. Além das atuações péssimas desses jogadores, o time teve não nenhum padrão tático, vivendo apenas de chutões e cruzamentos. O destaque da partida foi Nenê. O meia fez gol, mandou bola na trave, sendo uma das melhores partidas dele na temporada. Douglas e Guilherme foram participativos, podendo ajudar muito o time do Vasco, mas ainda não entendo o Guilherme ficar na reserva, pois ele parte pra cima e, normalmente, só é parado com falta. Além disso, o Vasco continua jogando apenas pela direita e pecando nas finalizações. Esse mesmo lado, junto com a defesa, falhou nos gols do Macaé, mantendo a preocupação da torcida para esse setor. 

A equipe do Vasco vai precisar evoluir e muito, vários reforços chegaram e será preciso ter muita paciência. Demitir o técnico para trazer Micale, Luxemburgo ou PC Gusmão como vem sendo comentado nos bastidores, não é a solução. Nesse caso, o Vasco precisa trazer alguém que a torcida possa confiar, mas no mercado, neste momento só vejo um nome, que é o Cuca, talvez Levir Culpi ou Ricardo Gomes. Enquanto isso não acontece, o que resta, é torcer e que essas incertezas cheguem ao fins para todos nós vascaínos.



*José Nunes (@JosecleiNunes) é fundador e editor do blog Futebol Retrô. Escritor, graduado em história. Ama futebol e um bom papo de botequim.





Nenhum comentário