Banner 1

JC Agora

Liga BBVA - Análise 25ª Rodada



Caros, amigos. Sou Fábio Dias e, a partir de hoje, começo a analisar as rodadas do Campeonato Espanhol no blog Jovens Cronistas. As principais partidas serão destacadas ao final de cada rodada.
Hoje, vamos ao resumo da 25ª rodada do Campeonato Espanhol: Barça vence e se aproxima do líder Real, que só empata; Atleti empata e fica distante.


Granada 1 x 3 Barcelona
O Barcelona foi ao Sul da Espanha e venceu o Granada por 3 a 1, no Estádio Nuevo Los Cármenes, com gols de Rakitic, Suárez e Messi, mais que isso, diminuiu em dois pontos a vantagem do Real Madrid, 61 a 59; Fran Rico descontou para a equipe mandante. Com a derrota, os rojiblancos permanecem na 15ª colocação.

A partida foi importante pelo resultado não pela atuação. Os blaugranas jogaram no 4-3-3, com o trio famoso em ação: Messi à direita, Suárez centralizado e Neymar à esquerda. O dia, porém, foi pouco iluminado tanto para o brasileiro quanto para o argentino. Os rojiblancos jogaram no 4-2-3-1 e complicaram, até certo ponto, as investidas do Barça no ataque.

A transição do meio para o ataque do Barcelona era lenta, não à toa, a posse de bola, que ficou em 60% na primeira parte, era pouco eficiente. Até que, em lançamento de Jordi Alba, Suárez invadiu a área e chutou, o zagueiro Cala furou e Rakitic bateu para abrir o placar aos 24 minutos.

O Granada levou perigo apenas aos 41 minutos do primeiro tempo, quando Javi Márques chutou cruzado da entrada da área e Bravo espalmou com a ponta dos dedos. O principal jogador, Piti, estava suspenso e, por isso, não pôde atuar.

O começo da segunda etapa foi elétrico. Com 3 minutos jogados, Suárez tabelou com Rakitic, entrou na área e deslocou Oier, para fazer Barça 2 a 0.
Aos 6, Lass Bangoura invadiu a área pela esquerda, driblou Daniel Alves e Bartra, que o derrubou. Pênalti convertido por Fran Rico, e o Granada diminuía a contagem, 2 a 1.

Aos 24 minutos, a cartada final. Rakitic lançou Suárez, novamente às costas da zaga. O pistoleiro dominou, driblou o goleiro e deixou para Messi – impedido, já que só havia o zagueiro entre ele e o gol – escorar para o gol livre.

Interessante perceber que Rakitic tem sido o melhor dos meio campistas do time catalão e não só hoje. Por conta disso, Messi tem voltado às origens de sua carreira, para sair da ponta e buscar a bola no pé do primeiro volante. A equipe de José Enrique é mais direta para chegar ao gol adversário, com relação aos treinadores anteriores (Guardiola, Tito Vilanova e Tata Martino), logicamente confiando mais no poderio do trio MSN do que na enorme posse de bola de outrora. E mesmo sem ser brilhante como o belo uniforme marca-texto utilizado, o Barcelona está na briga pelo título da Liga BBVA 2014-15.

Sevilla 0 x 0 Atlético de Madrid

Um empate com sabor estranho para o Atleti. Embora tenha conquistado um ponto no Ramón Sanchez Pizjuan, no empate sem gols com o Sevilla, o Atlético de Madrid ficou há sete pontos do líder e primo rico Real. Dessa forma, a busca pelo bicampeonato torna-se complicada, dado o poderio de seus dois rivais.

Diego Simeone montou seu 4-4-2 característico, entretanto mudou o estilo de sua equipe. Isso porque, em 4 temporadas como técnico colchonero, poucas vezes levou a campo onze jogadores sem um “9” de origem. Hoje, as duas opções eram Mandzukic e Torres, que ficaram no banco. O Cholo preferiu colocar Griezmann e Arda Turan mais à frente.O Sevilla jogou no 4-2-3-1 com Vitolo e Banega armando o time pelas pontas. Com duas linhas de quatro, o Atleti deixava espaço até a intermediária e só então cercava os sevillistas.

A partida ficou congestionada no meio-campo. As principais chances, poucas é verdade, aconteceram com o Sevilla trabalhando as jogadas pelas laterais. Aos 27 minutos da primeira parte, Ever Banega levantou a bola na entrada da pequena área, Iborra antecipou Moyá e acertou a trave. O centroavante colombiano Bacca foi perigoso em chutes da entrada da área.
Quanto mais a partida seguia, pior era o cenário, isto é, menos o Atlético buscava o gol. El Niño Torres e Mandzukic entraram em campo, porém não foram efetivos. E o resultado não mudou até o final.

Levando em conta a temporada – e não a partida – o Atleti demonstra fraquezas. Os principais jogadores saíram – Courtois, Filipe Luis e Diego Costa – todos para o Chelsea e as substituições - Moyá, Siqueira (hoje Jesus Gámez) e Mandzukic – não mantêm a principal característica do time campeão na Liga passada: recuar para contra-atacar em velocidade. Griezmann, que faz bom biênio 2014-15, é o arco e não a flecha. Ou seja, o francês tem que jogar para carregar a bola e não de costas para o gol. Por mudanças pontuais desse gênero, o guerreiro time de Madrid fica longe do bi.


Real Madrid 1 x 1 Villarreal

Em pleno Santiago Bernabéu, os madridistas tropeçaram contra um Villarreal forte. O empate por 1 a 1 significou não só o fim da sequência de três vitórias consecutivas pela equipe de Madrid, mas principalmente a diminuição da vantagem, de 4 para 2 pontos, em relação ao seu maior rival Barcelona.

O Real Madrid jogou no 4-3-3 considerado titular, com o trio de ataque Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo.
O técnico do Villarreal, Marcelino García Toral, montou seu 4-4-2 com 5 alterações em relação ao time titular, por conta do desgaste. A equipe disputa a Liga Europa e a Copa do Rei, além da Liga BBVA.

A primeira etapa foi movimentada. Apesar das mudanças, o submarino amarelo equilibrou as ações, principalmente com as jogadas pela esquerda do ataque. Aos 11, Casillas defendeu chute de Mói Gomez e, não fosse o corte providencial de Carvajal em frente ao gol, Gerard Moreno abriria o placar.

Em contrapartida, o time madridista levou perigo em levantamentos na área, fugindo um pouco das características de velocidade e transição rápida da intermediária à área adversária. Com 33 minutos, Varane aparou de cabeça o escanteio cobrado por Kroos e, por pouco, não fez o gol. Aos 41, Bale cruzou errado com o pé direito e acertou o travessão.

Cristiano Ronaldo foi pouco procurado na primeira parte. Contudo, na volta do intervalo, ele e todo o time merengue voltaram ao normal. Logo aos 5 minutos, CR7 foi agarrado pela cintura por Bailly e o juiz José Luis González marcou o pênalti, convertido pelo artilheiro da competição com 30 gols.

Com a entrada de Vietto, na vaga de Gio dos Santos – discreto na partida –, o Villarreal conseguiu contra-atacar. Tanto que empatou aos 18. O próprio argentino ajeitou, em frente à área, e Gerard Moreno chutou forte no cantinho esquerdo de Casillas, inapelável. 1 a 1 em Madrid.

As alterações de Ancelotti não surtiram efeito. Jesé entrou no lugar de Lucas Silva, mas não colocou velocidade necessária pelo lado do campo. Por sinal, o garoto perdeu um gol, depois de saída em falso de Asenjo. Chicharito mal tocou na bola e Illarramendi, idem.

Aos 40 minutos, Casillas salvou o cabeceio de Vietto, após cruzamento de Campbell da esquerda. Um minuto depois, um pênalti questionável não assinalado pelo árbitro, em mão acintosa de Bailly nas costas de Chicharito. Mesmo pressionando no final, o Real amargou o primeiro empate na Liga. Melhor para o Villarreal, que segue em sexto lugar, com uma das vagas na Liga Europa.

Destaques da rodada: quarta vitória consecutiva do Valencia. No Mestalla, os valencianos fizeram 2 a 0 sobre a Real Sociedad, gols anotados pelo atacante Pablo Piatti. Assim, o Valencia fica um ponto atrás do Atlético de Madrid, na quarta colocação, 54 a 53.

Pôker de Alberto Bueno, na goleada do Rayo Vallecano, por 4 a 2, sobre o Levante. Bueno fez os quatro gols no Campo de Fútbol de Vallecas, em Madrid.


Resultados da 25ª Rodada
Espanyol 1 x 0 Córdoba (Sexta-Feira)
Rayo Vallecano 4 x 2 Levante
Almería 0 x 0 Deportivo La Coruña
Málaga 3 x 2 Getafe
Eibar 0 x 1 Athletic Bilbao
Celta de Vigo 1 x 1 Elche (Segunda-Feira)

*Imagens: MundoDeportivo.com

Nenhum comentário