Banner 1

JC Agora

Futebol Brasileiro - Vivendo á sombra do mata-mata.

Santos foi o ultimo campeão brasileiro no formato mata-mata.
O assunto estourou com a notícia de que a atual Diretoria do Grêmio, busca costurar alianças para que o Brasileirão volte á ser disputado em sistema de "mata-mata". Primeiramente quero lembrar que a opinião não é do blog, mas de um colunista que tenta entender o porquê de muitos ainda desejam a volta do famoso "mata-mata"? É claro que muitos desejam a volta das partidas decidida na ida e volta e com estádios lotados, mas não vejo esse um dos motivos da volta desse formato no Campeonato Brasileiro.

É claro que vivemos num período que muitos clubes ainda não se adequaram a esse formato. Dos grandes, apenas Vasco, Botafogo, Palmeiras, Atlético-MG, Internacional e Grêmio não conquistaram o campeonato nesse formato e essa semana, O Grêmio decidiu trazer o formato antigo para o Campeonato Nacional. Mas isso seria bom? Vou tentar escrever uns dados que fazem retroceder com o Campeonato Brasileiro.

Um exemplo que podemos lembrar é os Campeonatos de 93, com 32 clubes, sem nenhum rebaixamento e um critério de classificação de difícil entendimento. O Campeonato de 94, com repescagem e 95 com dois grupos de 12, parecendo com o regulamento do Campeonato Carioca. Desde 71, dificilmente um formato foi repetido e todo ano era uma surpresa que a Confederação apresentava.

Outros fatores dos torneios de mata-mata são o número de jogos entre as equipes pequenas e grandes, além dos jogos em casas serem reduzidos. Em um torneio de turno único, uma equipe jogaria 9 partidas em casa e dez fora, ou vice-versa, podendo diminuir a rendas das equipes. Em um campeonato de ida e volta, são 19 partidas dentro e fora, ajudando a renda das equipes. Além disso, afetaria as transmissões dos jogos, pois seria bem menor o numero de partidas das equipes. Outro fato é um campeonato com ida e volta e depois mata-mata, devido o calendário, também não ajudaria, pois em boa parte do primeiro semestre, seria para os estaduais.

Seria muito fácil defender a volta do torneio desse formato, mas para os tempos de hoje seria bastante complicado, já que temos a Copa do Brasil, que agora é quase o ano todo, sem falar dos torneios continentais como a Libertadores e Sul-Americana, que já tem uma importância para os clubes, coisa que não acontecia até os meados da década de 90. Se falarmos de mata-mata, podemos lembrar dessa edição da Copa do Brasil, com as grandes viradas do Atlético-MG sobre Corinthians e Flamengo, além da grande final mineira e se for para criticar os pontos corridos, entre vimos um Flamengo ganhar na ultima rodada em 2009, Cruzeiro, Corinthians e Fluminense com chances em 2010 e Corinthians e Vasco em 2011. A grande consequência do baixo nível do torneio, não está no seu formato, pois em 85, vimos uma semifinal com 4 equipes sem tradição. O grande fato está na culpa da própria organização e a vinda dos pontos corridos, enfim deu títulos para aquele que realmente merece e não como o Flamengo de 92 e Santos de 2002 e voltar para o mata-mata é retrocesso. 

Curta nossa PàginaJovens Cronistas! (Clique)

Texto e Edição: Joseclei Nunes 

Foto:  Getty

2 comentários:

  1. Caro Joseclei

    Independente dos outros critério que fazem com que o futebol brasileiro esteja em má fase, uma delas a falta de concorrência na transmissão dos jogos, por exemplo, que faz com que os jogos no meio da semana sejam em um horário proibitivo para quem trabalha e quer ir ao estádio, a falta de uma final entre um campeão de primeiro turno versus campeão do segundo turno tira a emoção, como aconteceu no ano de 2014. E se é pelo critério de merecimento, um time como o Cruzeiro seria campeão da mesma maneira, sem ter os dois jogos de uma final ou uma melhor de três como decisão. Como isto seria uma coisa rara (normalmente o time que ganha o primeiro turno se acomoda), a realização de uma final de campeonato voltaria a ser eletrizante. É simples, é só ver as finais dos campeonatos amadores: estádios lotados e festa de torcidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Junqueira, com todo o respeito, e aceitamos toda ordem de opiniões aqui, tanto que há no Blog colegas que preferem mata-mata e estão livres para discordar. Mas o que tira a emoção da competição não é a fórmula, e sim o fraco nível técnico. Os campeonato Europeus são emocionantes, grandes jogos, com estadio lotado na parte de cima, do meio e na zona da confusão, se o jogo tiver QUALIDADE ele é emocionante, e é isso que falta por aqui, além claro da questão da TV mandar no Brasil, que esse texto não aborda.

      O modelo de disputa por contos corridos da Liga, não mata o mata-mata, basta perceber que temos: Libertadores, Copa do Brasil, Sul-Americana, Regionais/Estaduais. Com a Liga em pontos corridos, estamos na mesma fórmula de disputa dos grandes centros do futebol (afinal, somos um deles), esse modelo que tu cita, seria termos nossa principal Liga, em método alternativo, como a 4ª Divisão das principais Ligas do Mundo.

      Com base no citado fundamento a minha discordância, evidente que finais são emocionantes, mas como já citado, há muito mais competições com finais, do que a única (e é assim em todo o planeta) em sistema de pontos corridos.

      De todo modo, muito obrigado.

      Excluir