Vamos acompanhar semanalmente o mandato do prefeito tucano João Dória à frente da Prefeitura de São Paulo. O Gestor, como ele bem frisa, terá muito trabalho no comando da maior cidade da América Latina, e estaremos atentos a todas as suas ações. Portanto, todo sábado, traremos aqui um compilado do que o mandatário realizou em suas atribuições.




40ª Semana De vídeo “libidinoso” a barraco direto do Pará




Dória começou a semana ainda no sábado (30) quando publicou um vídeo, já tardio, sobre o mais recente caso de censura e mal entendido envolvendo mostras de arte. Desta vez, o ataque de internautas desvairados, mais uma vez sem considerar o contexto, encontrou no 35ª Panorama da Arte Brasileira, do Museu de Arte Moderna, o MAM, aquilo que eles consideram “apologia” a algo ilícito. O coreógrafo Wagner Schwartz interpreta Bicho da artista plástica Lygia Clark (1920 – 1988) nesta edição do Panorama. Nu, ele fica sobre um tablado fazendo a vez de uma obra de arte que, neste caso, pode ser manipulada, tocada. Foi esta performance que na terça (26) começou a circular nas redes sociais, não divulgando o trabalho de Wagner, mas o tachando de apologia a pedofilia, já que o vídeo mostrava uma garota de 5 anos de idade acompanhada da mãe tocando em uma das pernas e braço do coreógrafo.


Quatro dias após a retomada da discussão sobre o que é ou não arte, já no sábado (30), o prefeito João Dória foi as suas redes sociais mostrando-se incomodado com o que mostra o vídeo, e definiu o ato como “libidinoso” e “absolutamente impróprio”. “A exposição realizada no MAM, Museu de Arte Moderna, que é uma instituição séria, quero deixar isso bem claro, no Parque Ibirapuera, não pode, em nome dessa liberdade, permitir que uma cena libidinosa, que estimula uma relação artificial, condenada e absolutamente imprópria seja colocada para o público”, disse o prefeito em vídeo publicado em sua conta no Youtube.


Dória somente pronunciou-se após manifestantes agredirem funcionários do MAM, no Ibirapuera, também no sábado (30), e pressão de parte de seu eleitorado que, assim que o vídeo começou a circular, correu atrás do prefeito para censurar a exposição, acreditando que o museu é subordinado à Prefeitura. O MAM é uma instituição privada e rechaçou a possibilidade de cancelar a exposição que ficará nas dependências do MAM até dia 27 de dezembro, com entrada gratuita aos sábados.


Para o articulista, o prefeito já estava sentindo uma dorzinha no cotovelo que se intensificaria com a divulgação da mais nova pesquisa de intenção de voto do Datafolha. O levantamento publicado na edição de domingo (01) do jornal Folha de S. Paulo, aponta o ex-presidente Lula, condenado da justiça, disparado na primeira colocação e ganhando em todos os cenários de 1º e 2º turno das próximas eleições presidenciais. Enquanto Lula lidera com 35% dos 2.772 entrevistados pelo jornal, o prefeito, que viajou 28 vezes neste ano, empata com seu padrinho político, governador Geraldo Alckmin, segundo a pesquisa, com 8% das intenções de voto. Dória aparece atrás do militar da reserva e da ex-senadora Marina Silva que oscilam, no caso do militar aposentado entre 16% e 17% das intenções de votos, e entre 13% e 14% das intenções no caso de Marina. 


Dória passou o domingo (01) em Itaim Paulista, pelo Mutirão Mário Covas - Calçada Nova, pela manhã e, já à tarde, na Casa das Rosas, na Avenida Paulista, onde deu início as homenagens e campanhas pelo Outubro Rosa, mês de conscientização e alerta para os casos de câncer de mama. 


O prefeito, ainda nesta semana, sancionou o almejado e ousado programa de desestatização que entrega a iniciativa privada, o “primor da administração”, inúmeros equipamentos públicos pertencentes à Prefeitura de São Paulo. Dória, como de praxe, um dos poucos “trabalhadores” brasileiros a não receber o contracheque no 5º dia útil, mas antecipadamente, geralmente no início do mês, doou seus vencimentos à ONG Viver e Sorrir. O valor, desta vez, superou os R$ 17.948,50 do salário de Dória, já que o prefeito complementou a doação com R$ 600,00 arrecadados através de multas impostas a dois secretários por atrasos.


Dória voltou a falar do ex-presidente Lula. Desta vez, num encontro empresarial com executivos franceses e brasileiros, ele mostrou-se, de certa forma, preocupado com uma possível condenação em 2ª instância da Justiça e, consequentemente, prisão do ex-presidente Lula. Para ele, impedir que Lula dispute as eleições no próximo ano, mesmo o petista liderando todos os cenários de todas as pesquisas de intenção de voto, seria um “erro histórico” que “incendiaria o país”. “Se prenderem o Lula, pior ainda, porque ele vai se vitimizar e aí incendeia o país”, disparou o prefeito que prosseguiu “seria a pior hipótese a Justiça, embora totalmente soberana para decidir, aprisioná-lo em meio ao processo eleitoral. Seria um erro histórico.”


Ainda na semana, na quinta-feira (05), o prefeito, acompanhado do secretário de Saúde, Wilson Pollara, divulgou números atualizados da única investida na saúde desta administração, já com 10 meses, o Corujão da Saúde. De acordo com Dória, o programa terá 2ª etapa já a partir de novembro próximo com o objetivo de zerar a mais recente fila, segundo a secretaria de Saúde com 83 mil pessoas, por exames mais “complexos”. A 2ª fase do programa vem quando, nem mesmo, a 1ª fase foi concluída. Ainda segundo a secretaria de Saúde, a fila de pouco mais de 485 mil pessoas por exames, envolvida naquela parafernália de se agendar exames em horários alternativos, muitos na madrugada, não foi zerada e tratava-se de pessoas alocadas no sistema há mais de um ano. Enquanto tentava-se zerar esta fila, outra, a deste ano, com novos pacientes, formou-se e, até o momento, não há informação quanto a zerá-la.


Ainda na quinta-feira (05), Dória retomou seu Olho no Olho pelas redes sociais. O prefeito recebeu seu possível “vice-presidente”, o empresário potiguar, Flávio Rocha, proprietário do grupo Riachuelo e que já tinha declarado ser entusiasta da candidatura do prefeito à Presidência da República no próximo ano. Flávio é amigo antigo de Dória e, mesmo com inúmeros processos trabalhistas contra sua empresa, se diz um “entusiasta” do Trabalho Novo, programa que tem oferecido ressocialização de moradores em situação de rua e emprego - desde que tenham carga dentária perfeita - da Prefeitura.  


Dória ainda teve que dar esclarecimentos por conta de suas viagens ao Ministério Público. O órgão está investigando as saídas, mais de 30 neste ano, do prefeito em horário de trabalho. Nos documentos enviados por Dória aos promotores, ele diz que todas as suas horas de trabalho, da saída de sua casa até a volta altas horas da noite, são “horas extras”. De acordo com o “Painel” da Folha, o prefeito teria assegurado ao MP que trabalhou mais de 2,9 mil horas até o mês de agosto. 1.183 horas a mais que um trabalhador comum.

 Vídeo: Reprodução / Canal "Alberto Goldman" no Youtube

Por falar em viagem, a última foi ao Pará, onde recebeu mais um título de cidadão, o 6º de 5.570 possíveis, participou das festividades religiosas do Círio de Nazaré, cantarolou muita Nuvem de Lágrimas ao lado de Fafá de Belém, sua anfitriã, e, sob uma camisa gola V branca e com rosto mal lavado, disparou ataques, definidos por ele como “recadinhos, meus bons recadinhos”, contra o vice-presidente nacional do PSDB, Alberto Goldman, que tinha gravado um vídeo comentando o óbvio abandono na administração da cidade. 

 Vídeo: Reprodução / Canal  "João Dória News" no Youtube
Curiosamente, o prefeito questionado por Goldman por não estar na cidade, respondeu o vice-presidente de sua legenda de uma viagem. Estava fora da cidade quando respondeu. 

 

 Assista e compartilhe a reportagem especial que foi em três - das cinco - regiões da capital para contar a vida de nordestinos.


Compartilhe:

Claudio Porto

Jornalista com predileção à análise política nacional e internacional, e em jornalismo local, comunitário.

Deixe seu comentário:

0 comments so far,add yours