Senador que ameaça matar o primo sai ileso e volta ao trabalho. Presidente que dá tudo para manter o status quo segue para plenário confiante e portaria desconsidera trabalho análogo à escravidão. Voltamos quanto tempo na ordem histórica das coisas? 
 
Mesmo submetida ao governo bandeirante, a TV Cultura é fonte inesgotável de conhecimento. Não é de hoje que ela honra seu nome mesmo com muitos percalços – boicote mesmo. Em tempos áureos, numa animação rústica, bem primitiva, ela preparava uma sala de piso quadriculado nas cores azul “bebê” e azul escuro, teto amarelo e paredes em degrade das cores azul e verde, para a chegada de um sofá que batia na porta como pedindo para entrar e que trazia sobre si um garoto deitado que, convocado por um “senta que lá vem história” por uma daquelas vozes firmes próprias de locutores, logo sentava, seguido por trombetas anunciado o inicio da série de contos do programa Rá Tim Bum
 
Imagem: QUADRINSTA (@Quadrinsta no Instagram e no Twitter)

Distante do encantamento dos contos trazidos pelo eterno Rá Tim Bum – que ainda tinha entre suas estrelas o âncora mais elegante da TV brasileira -, as histórias, e não estórias, da política brasileira podem parecer ser as mesmas, mas com a contribuição maciça da classe política podemos pedir ao leitor, ou seja você, que também sente que “lá vem história”, e não é repetida.

 Vídeo: Youtube


Aécio. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), mineirinho na lista da Odebrecht (clique!), aquela que ninguém sabe por onde anda – talvez tenha caído no tradicional esquecimento dos corredores da Suprema Corte -, gravado pelo empresário, preso, Joesley Batista, da JBS, pedindo a ele R$ 2 milhões que, sim, seria mesmo usado para o pagamento de honorários de sua defesa, mas não como empréstimo e sim propina, e que enviaria seu primo, o Fred, não o “chefe da área” do Clube Atlético Mineiro, mas aquele “que a gente mata ele [o Fred] antes de fazer delação”, que faria a vez de office boy e transportaria a quantia para o senador (clique!), saiu ileso e voltou aos trabalhos na Casa mais pomposa depois do STF, o Senado Federal.
 
Imagem: QUADRINSTA (@Quadrinsta no Instagram e no Twitter)

Aécio ganhou de seus pares, por 44 votos a 26, o retorno ao trabalho no Senado após a decisão, branda, dos ministros do STF em aplicar neste caso, em que um senador da República pede pagamento de propina a um empresário, o corrupto Joesley Batista, e diz que mataria o primo, ou seja, cometeria homicídio doloso, a decisão de impedir que ele saísse após as 22 horas e que não poderia exercer seu ofício enquanto senador.  A decisão, ainda que branda da primeira turma do STF, foi tomada depois que a Comissão de Ética do Senado realizou uma dita “análise” sobre o caso e, sob forte “espírito de porco”, arquivou o pedido de afastamento do senador, por conta do áudio. Houve senadores que, usando dos microfones do Senado, garantiram que caberia ao STF decidir sobre o caso.


Quando o caso chegou à Suprema Corte, o colegiado da primeira turma de ministros decidiu, por incríveis 3 votos a 2 – não entendo como as Leis podem ser tão difíceis de ser interpretadas e como as decisões recentes do STF têm sido tão apertadas, quando os casos parecem ser de decisões óbvias e merecedoras de unanimidade -,  pela reclusão de Aécio após às 22 horas e a suspensão de seu mandato. A decisão da primeira turma não foi aceita, nem mesmo, pelos outros ministros da Corte que também quiseram se debruçar sobre o assunto – também conhecido como ceder forças para ajudar um parceiro, aqui Aécio – e debateram a situação no plenário.  
 
Imagem: QUADRINSTA (@Quadrinsta no Instagram e no Twitter)

A decisão do colegiado reunido, os 11 ministros da Corte, foi mais uma vez apertada e, pior, não sabe-se por que. Dessa vez, o placar ficou em 6 votos a 5 favoráveis a permitir que a Casa Legislativa correspondente ao parlamentar julgado pelo STF valide ou não a decisão dos ministros, os ditos “guardiões da Constituição”.


O caso de Aécio Neves, muito parecido com o do também senador, com a diferença de ser petista, Delcídio do Amaral, preso e de mandato cassado, em 2015, voltou ao Senado Federal, onde foi apreciado e derrubado pelos senadores. 
 
Imagem: QUADRINSTA (@Quadrinsta no Instagram e no Twitter)

Aécio Neves está de volta ao seu cargo, mesmo tendo falado a todo o País que precisava de R$ 2 milhões de um empresário, hoje preso, e que mataria seu primo, se preciso. Isso, além dos 9 inquéritos que ele responde no STF.  Quando o ex-senador e trambiqueiro Sergio Machado falou para o senador e líder do (des)governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), em mais uma das gravações, antes mesmo do advento da produtora “Joesley Gravações”, que seria “com o STF, com tudo” , naquela conversa que ainda mostravam-se preocupados com a operações de investigação e que seria preciso “estancar a sangria”, não imaginávamos que seria bem isso mesmo. 


Lembrando que o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, hoje descansando, enquanto disparava suas derradeiras “flechadas”, aproveitou o alvoroço sobre as denúncias e arquivou o processo que investigava as irregularidades trazidas por esse áudio de Sérgio Machado e Romero Jucá.


Denúncia. Falando em denúncia, o presidente Michel Temer, único duas vezes denunciados por crimes comuns – corrupção passiva, obstrução à Justiça e formação de organização criminosa (quadrilha) de nossa história (clique!), vem trabalhando intensamente para tentar barrar mais uma denúncia contra ele. Temer, agora denunciado por ter liderado esquema de desvios em empresas estatais – as mesmas que ele diz ter déficit e que por isso precisam ser privatizadas- e compra de votos por projetos aprovados no Congresso Nacional, curiosamente, mantém o modus operandi e continua comprando votos contrários à admissibilidade da denúncia na Câmara, usando-se de emendas parlamentares e indicações políticas em empresas estatais que, certamente, gerarão ainda mais déficit em suas contas.


Se na primeira denúncia por crime de corrupção passiva, o presidente não hesitou em anistiar dívidas da banca ruralista, mais de 220 deputados, e reduziu o percentual de contribuição do FUNRURAL (clique!), fundo para o pagamento de seguridades para trabalhadores rurais, diminuindo os valores de benefícios destinados a essa classe, dessa vez, Temer focou em outra antiga reivindicação dos ruralistas: a fragilização das normas de combate ao trabalho escravo. 
 
Imagem: QUADRINSTA (@Quadrinsta no Instagram e no Twitter)

O presidente está tão desesperado que vai assinando coisas sem ler. Na mais recente gafe, das muitas, ele autorizou uma portaria que dificulta a fiscalização de trabalhos análogos à escravidão, talvez sabendo da ideia e gostando dela também, mas sem ter lido o conteúdo enviado pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. 


A portaria do Ministério do Trabalho - o mesmo que precarizou as relações trabalhistas com a dita reforma trabalhista e a terceirização irrestrita que começarão a valer a partir do próximo mês- autorizou inúmeras alterações na definição de trabalho análogo à escravidão e na lista de empregadores que, em algum momento, foram pegos explorando a força de trabalho de pessoas.  Ela, na prática, dificultou ainda mais o combate àquilo que, independente de ideologia, é condenável e apenas atrasa o desenvolvimento do País.
 
Imagem: QUADRINSTA (@Quadrinsta no Instagram e no Twitter)

País este que, sem precisar das alterações da portaria, já válidas, de Temer e Ronaldo Nogueira – bom dar nome aos responsáveis -, deputado eleito pelo estado do Rio Grande do Sul e ministro do Trabalho, carrega o peso de ter sido o primeiro, e por enquanto o único, país das Américas condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, submetida a Organização dos Estados Americanos, a OEA, a pagar US$ 5 milhões em indenizações a 128 trabalhadores explorados no sul do Pará, entre os anos de 1997 e 2000, no caso dos “Trabalhadores da Fazenda Brasil Verde”.  A decisão foi tomada no fim do ano passado. Essas pessoas fazem parte de um grupo ainda maior, de cerca 300 resgatadas entre 1989 e 2002 na fazenda “Brasil Verde”


A ideia de Temer é ter ainda mais apoio na votação da denúncia por obstrução à Justiça e formação de organização criminosa (quadrilha) contra ele, marcada para a próxima quarta-feira (25), com transmissão da “Platinada”, e para isso, se preciso, também não hesita em sacrificar os já sacrificados trabalhadores submetidos a condições desumanas de trabalho e que só estão “nessa” porque há pessoas como Elias, o Temer, no poder (clique!)


Quando pensávamos que os ataques pelo arquivamento dessa segunda denúncia resumia-se aos brasileiros explorados dos rincões do Brasil, já que nos grandes centros urbanos as concentrações de “escravos” são, na maioria, imigrantes e, não diferente, o Estado brasileiro também faz vista grossa, o (des)governo teve de ceder mais uma vez para a bancada ruralista e converteu multas ambientais, que juntas somam R$ 4 bilhões aos cofres públicos, em prestação de serviços.


No popular, Temer “não ponto sem nó”. Em uma semana, Temer condescendeu ao trabalho escravo no Brasil e trocou R$ 4 bilhões, quantia relativamente importante para um (des)governo que quer enfiar goela abaixo reformas de austeridade, em serviços como o reflorestamento de áreas degradadas que, certamente, serão feitos pelos “escravizados”, agora autorizados, de Temer. 


É um verdadeiro festival de ações próprias de outros períodos da história. A única certeza que tenho é que, enquanto (des)governo, já não pertencemos a este século. Deixamos de trilhar o caminho do futuro há um tempo, e, para alguns, a culpa é do articulista que é pessimista e só escreve mal sobre o (des)governo. Desculpa, mas o (des)governo não dá brecha. 

Assim como aceitamos ( e precisamos) críticas e sugestões, por isso a importância de se comentar sua opinião, seja sobre o conteúdo ou o artigo, da forma que for mais conveniente, pedimos que, também, compartilhe, retweete, republique nosso material pelas redes sociais!



Compartilhe:

Claudio Porto

Jornalista com predileção à análise política nacional e internacional, e em jornalismo local, comunitário.

Deixe seu comentário:

2 comments so far,Add yours

  1. Haja história e haja inércia popular...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haja mesmo!

      Mesmo com a turma global tentando emplacar Rodrigo Maia, o povo parece não ter comprado a ideia e o tinhoso seguirá até dezembro do próximo ano. Resta saber, com muita preocupação, para quem ele passará a faixa presidencial.

      Excluir