Banner 1

JC Agora

Futebol Brasileiro - A arbitrariedade da arbitragem...


Amigos, perdão pela redundância do título, mas acho que ele cabe bem aos acontecimentos atuais do futebol Brasileiro, a normativa baixada pela comissão de arbitragem da CBF proíbe qualquer tipo de indagação ao árbitro durante as partidas de futebol, bem como a comemoração de gols junto á torcida, isso ocorre desde o início da competição, mas ficou bastante exposta após a Vitória do Inter contra o Coxa (clique), onde Lisandro Lopez acabou expulso por reclamação, bem como Anderson recebeu amarelo e também fica fora do duelo contra o Corinthians. O grande debate que precisa ser feito é; Até que ponto é saudável para o futebol o que está sendo feito? Afinal, o livre direito á expressão está garantido em nossa constituição, tal qual o "Episódio FERJ" o que se vê é uma tentativa de calar em definitivo os atletas, tanto na vibração com a torcida, quanto na argumentação com a arbitragem.

Sim, era necessária uma intervenção em relação as reclamações de jogadores, estavam acintosas, estavam prejudicando o espetáculo e jogando (ainda mais) a torcida contra a arbitragem, ou gerando eventos como o do "Caso Dudu", a libertinagem estava mesmo á solta. Mas é preciso usar o cérebro para se tomarem medidas decisórias, é preciso efetivamente criar meios de solucionar os problemas, sem métodos ridículos, o desrespeito ao árbitro, figura máxima da autoridade de uma partida. Mas no lance em que Lopez é expulso ele indaga o árbitro com as mãos para trás, de forma tranquila, sem nenhuma agressividade, e investido do poder, o árbitro expulsou o atleta apenas por que foi indagado, o que é isso? Voltamos ao AI-5, não pode mais haver nenhum contato com o superior comandante do jogo? Ah, me ajuda aí, como diria o mestre.


Para proibir a comemoração junto a torcida, a justificativa da comissão de arbitragem é "evitar tragédias como a de Santa Maria", (está no Zero Hora, cliquem lá e leiam), ao que nos consta, o que aconteceu na Kiss foi ocasionado por uma série de fatores, o principal deles a péssima infra-estrutura do local, e quem cuida disso é justamente a federação, que verifica se os estádios são aptos para receber em segurança uma partida de futebol, claro que erros de cálculo ou ações exacerbadas podem acontecer, nos vem a mente o gol de Ronaldo contra o Palmeiras pelo Corinthians onde o alambrado caiu, mas são incidentes isolados, onde inclusive cabia uma melhor fiscalização. Da mesma forma que se deve respeitar o atleta que por razões pessoais não se sente á vontade para comemorar um gol, não se pode limitar o nível de êxtase de um atleta em comemoração, o futebol é uma festa popular, o atleta joga sim, como um trabalho, mas o futebol existe em função da torcida, não somos contra o dito "Futebol Moderno", mas isso ele não pode mudar, no futebol moderno não cabe se tirar a camisa para comemorar, afinal isso prejudica a engrenagem financeira do futebol, isso esconde o patrocinador que é uma ferramenta importante para os clubes, mas impedir que o jogador comemore com o seu público que é a razão de ser do futebol, não dá pra entender.


Essas medidas que parecem ter sido feitas sem uma reflexão antes, restritas, arbitrárias, que tornam ainda mais chato o futebol atual, precisam ser devidamente revistas, analisadas, aproveitado o que há de bom nelas e aprimorada a forma de avaliação e punição. O árbitro está de mãos atadas, pois se na avaliação da comissão ele for omisso, também será punido, é uma baita sinuca, porém temos visto esses mesmos se aproveitarem dessa normativa mal feita e colocarem-se em uma verdadeira redoma, o comando do jogo precisa sim ser respeitado, porém não pode ser blindado em suas interpretações e exageros, isso pode caminhar para um descrédito em relação tanto a arbitragem, quanto ao espetáculo, visto que em lances clamorosos, os atletas terão de ficar com cara de paisagem. Para o atleta, o momento é de ter além de sangue frio, sangue de barata, e se submeter sem pestanejar a toda e qualquer interpretação do juiz, mesmo que errada, a reclamação não muda o parecer do juiz (ou não deveria), mas se argumentado com respeito e sutileza, leva a um melhor entendimento de ambos dos lances, o grande exemplo disso é o que ocorre na Premier League, é claro que lá a conversa é excessiva e aqui o nível educacional talvez não permita um maior diálogo, mas o diálogo é fundamental, e está sendo quebrado com tal medida.


E vocês, como enxergam "Os árbitros intocáveis"? Opinem! 


Curta nossa Página: Jovens Cronistas! (Clique)


Foto: RBS 

Nenhum comentário