Reds conquistam seu primeiro campeonato mundial. Foto: Divulgação/Liverpool
A tão esperada final do Mundial Interclubes entre o campeão da Libertadores e o vencedor da Liga dos Campeões aconteceu no Catar, neste sábado, 21. O jogo marcou a reedição do Mundial de 1981. Na ocasião, 3 a 0 para o time brasileiro.

Para o duelo de 38 anos depois, antes de a bola rolar, favoritismo para o time inglês, que mesmo com calendário apertado e menos prioridade dada à competição do que o adversário brasileiro, conta com o melhor time da Europa atualmente.

Com a bola rolando, com menos de um minuto, Firmino perdeu cara a cara a oportunidade de abrir o placar para os Reds. Aos 4’, Keita recebeu de Salah na entrada da área e chutou por cima. No minuto seguinte, mais um lance perigoso, desta vez com Alexander-Arnold. Iniciava melhor do time inglês.

Após a pressão inicial, o Flamengo passou a ter mais posse de bola e chegar um pouco mais ao gol inglês, porém sem muita organização.

Na parte final do primeiro tempo o Liverpool retomou o controle da partida, com maior tempo no campo ofensivo. Enquanto o time rubro negro acelerava as investidas quanto com a bola, os ingleses trocavam passes em busca de espaço.

Gabriel, artilheiro do Flamengo na temporada pouco apareceu na primeira etapa. Foto: Gazeta Press.

O primeiro tempo de final do Mundial de Clubes no Catar foi de superioridade do Liverpool, principalmente no começo e no fim do período. Dono das melhores finalizações, os Reds chegaram com mais perigo e abusaram das trocas de passes. O Flamengo, por sua vez, teve superioridade de posse de bola em dado momento, mas sem muito perigo. Sólida, a defesa inglesa não permitiu jogadas de infiltrações do ataque flamenguista, como vimos na América.

Com um minuto de jogo no segundo tempo, repetindo a primeira etapa, Firmino quase marcou em grande lance na área. O camisa 9 tirou Rodrigo Caio com um chapéu e chutou na trave. Prometia vir com tudo o Liverpool.

Aos 4’, em jogada trabalhada, Salah recebeu na área e finalizou a direita de Diego Alves. O Flamengo respondeu com Gabriel por duas vezes. Na segunda, chute que exigiu ótima defesa de Alisson. Flamengo melhorava e a final ficava interessante.

Aos 21’, Gabriel recebeu de Arrascaeta e finalizou prensado com Van Djik. Aos 23’, de puxeta, Gabriel finalizou mais uma vez. Segundo tempo do camisa 9 flamenguista era muito melhor. 

Aos 30’ Salah marcou mas não valeu. Impedimento do egípcio. Aos 34’, após bola cruzada na área, Alexander Arnold finalizou prensado e Diego Alves defendeu sem problemas. 

Aos 40’, Henderson chutou bem de fora da área e Diego Alves fez sua melhor defesa no jogo, garantindo o empate até então.

Segundo tempo superior ao primeiro no Catar. Liverpool foi melhor novamente, exigindo em uma das finalizações, grande intervenção de Diego Alves. Flamengo chegou com perigo todas as vezes com Gabriel.

Firmino, o herói do título. Foto: Gazeta Press.
Na prorrogação, como era de se imaginar, os times dosaram o ritmo e o Flamengo começou criando as melhores chances. Aos 3’, no entanto, Firmino abriu o placar após grande passe de Mané e falha da defesa flamenguista.

No minuto seguinte, Salah quase ampliou. Grande defesa de Diego Alves. Van Dijk em grande finalização exigiu outra grande defesa do goleiro rubro negro na sequência. 

Liverpool repetiu superioridade do jogo todo e dessa vez, na primeira parte da prorrogação, foi efetivo com Firmino, Flamengo praticamente não chegou e falhou quando não poderia. 

No segundo tempo da prorrogação, o Flamengo teve a sua primeira chance aos 2’, quando Gabriel aproveitou sobra de bola na entrada da área, mas finalizou por cima. 

Aos 10’, Alexander-Arnold cobrou falta no canto inferior direito de Diego Alves. Boa defesa do arqueiro brasileiro.
 
Aos 14’, na melhor chance do Flamengo na partida, Lincoln chutou por cima. Juventude pesou negativamente. Fosse no pé de outro jogador poderia ter sido o gol de empate.

Liverpool venceu a revanche 38 anos depois. Foto: Gazeta Press.
Liverpool mereceu ser campeão do mundo. Melhor que o Flamengo em boa parte do jogo, ditou o ritmo da partida e fez valer o favoritismo. Time brasileiro chegou poucas vezes, quase todas na individualidade de Bruno Henrique e na boa presença de área de Gabriel,  quem mais finalizou. A partida trouxe duas conclusões. Times europeus continuam muito superiores aos sul-americanos. Flamengo, melhor time das Américas nos últimos anos é imbatível no seu futebol, no mundo, não. Liverpool campeão mundial de 2019 pela primeira vez em sua história.
Compartilhe:

Gervasio Henrique

Jovem jornalista, 22. Ciente de que a batalha está começando e mais certo ainda de que lutará com todas as forças por seus ideais. "Sem sonhos não há vida".

Deixe seu comentário:

0 comments so far,add yours